[Resenha] Céu sem Estrelas - Iris Figueiredo

Olá estrelinhas, tudo bem?

Hoje é um daqueles dias que sento para escrever a resenha e tenho certeza que não conseguirei expressar nem 10% do que senti com essa leitura. Céu sem Estrelas entrou para o hall de favoritos da vida!

Céu sem Estrelas
Autora: Iris Figueiredo
Páginas: 360
Editora: Seguinte
Onde comprar: Amazon
Nota:  
*Livro cedido em parceria pela editora
  Gatilho para suicídio, automutilação e gordofobia
SINOPSE: 
Cecília acabou de completar dezoito anos, mas sua vida está longe de entrar nos trilhos. Depois de perder seu primeiro emprego e de ter uma briga terrível com a mãe, a garota decide ir passar uns tempos na casa da melhor amiga, Iasmin. Lá, se aproxima de Bernardo, o irmão mais velho de Iasmin, e logo os dois começam um relacionamento. Apesar de estar encantado por Cecília, Bernardo esconde seus próprios traumas e ressentimentos, e terá de descobrir se finalmente está pronto para se comprometer. Cecília, por sua vez, precisará lidar com uma série de inseguranças em relação ao corpo — e com a instabilidade de sua própria mente.
Cecília perde seu primeiro emprego no dia do seu aniversário de dezoito anos, mas mesmo assim não desiste de sair com os amigos para comemorar. Depois de um porre e de dormir na casa da melhor amiga, Iasmin, ela volta para casa e decide não contar para ninguém que perdeu o emprego, principalmente para a mãe, com quem tem uma relação conturbada desde sempre.

"Aquilo me assombrava diariamente. Eu estava sempre ansiosa, pensando em como deixar de ser quem era, em como me tornar alguém melhor, alguém de quem as pessoas gostassem."

Mas, quando a mãe dela descobre, acaba mandando a garota passar um tempo na casa da avó, porém Cecília decide ficar na casa de Iasmin, já que seria mais perto da faculdade.
É assim que Cecília vai se aproximar do irmão mais velho da amiga, Bernardo, por quem sempre teve uma quedinha.

Só que a vida de Cecília se encontra em uma total bagunça. Ela quase não vai para a faculdade, já que não tem ânimo para tal coisa, e a instabilidade da sua mente a deixa na beira do penhasco inúmeras vezes. 

"Ser gordo ia muito além de ser uma massa de gordura. As pessoas me encaravam e automaticamente calculavam quanto peso ganhei ou perdi desde a última vez que nos vimos. Tinham sugestões de dietas, piadinhas prontas que 'não eram para ofender', diziam que meu rosto era tão bonito e se eu emagrecesse um pouquinho..."

Como Cecília irá lidar com tudo isso?


QUE LIVRO ESPETACULAR! Essa foi uma leitura que me fez chorar nas primeiras 30 páginas. A Cecília é uma garota gorda, que sempre teve inseguranças em relação ao seu corpo e que está no meio de um furacão com a perda do emprego e o fato de ter sido "expulsa" de casa. Ela tá vivendo um período cheio de incertezas e dúvidas em relação ao seu futuro. Me identifiquei com ela desde a primeira linha, então em muitos momentos foi difícil prosseguir a leitura, pois os sentimentos que a Cecília tem se assemelham muito aos meus. Eu entendo a dor dela, em todos os níveis, então talvez esse seja um dos fatores que me fizeram ficar tão apegada à personagem e compreendê-la.

"Eu gostava de sentir dor. Não, eu não gostava. eu precisava. Era o que mantinha sã. O sangue, o corte, a ardência, o ritual... tudo aquilo me mantinha sã. Mas depois vinha a vergonha."

A forma como a Iris descreve como a Cecília se sente é muito crível. O leitor consegue entender toda a confusão que é a mente dela, além dos picos de sentimentos que a acometem. Cecília ainda não compreende o que está acontecendo com ela, então o processo que ela passa é totalmente intenso e doloroso, porém necessário. 

A trama aborda temas como: saúde mental, racismo, gordofobia, homofobia, relações familiares conturbadas, automutilação, suicídio, entre outros. A Iris entra em muitas questões que ainda são tabus em nosso país, mas ela faz isso de forma sensível, fazendo o leitor refletir em vários momentos.

"Sinto um vazio tão grande... Acho que ninguém é capaz de me amar. Que, a qualquer momento, todas as pessoas da minha vida vão acabar indo embora e eu vou ficar sozinha."

O romance com Bernardo faz parte da história, mas para mim ficou em segundo plano. O Bernardo é um cara fofo, que também tem as suas próprias questões para lidar. Ele é filho de pais ricos, no entanto quer conquistar suas coisas sozinho, além de ser muito dedicado à faculdade e não estar preparado para encarar um namoro. Bernardo é incrível e a relação dele com a Cecília é pautada por muito cuidado, carinho, respeito e amor. Eles passam por turbulências normais em qualquer relacionamento, principalmente quando temos duas pessoas lidando com sentimentos novos e que não sabem como agir em algumas situações. Mas, sem dúvida, eles são um casalzão!

Os outros personagens também se tornam bem especiais para a trama e conseguem nos fisgar de diferentes formas. Gostei do fato da autora construir personalidades bem marcantes e intensas. Os amigos e uma parte da família da Cecília são magníficos e fiquei querendo guardá-los em um potinho.
A representatividade é uma das coisas mais lindas desse enredo. A Iris trouxe pessoas normais, como temos realmente na vida, e queria ver mais obras trazendo essa diversidade, pois é algo que ainda sinto falta.

"Eu não sentia à vontade na minha própria pele."

Céu sem Estrelas é um livro emocionante e necessário. Cecília vai achar seu caminho em meio a tantas confusões em seu interior. A jornada dela não será fácil, mas ela terá a ajuda de pessoas que a amam. São as pessoas que estão ao nosso redor que podem ser a nossa salvação e Cecília vai vivenciar isso na prática. A jovem também vai entender que precisa lidar melhor com seus medos, que precisa cuidar da sua saúde mental e a terapia vai ser um passo primordial na vida dela. A noite pode não ter estrelas hoje, mas uma hora elas voltam, elas sempre voltam...

Beijos da Lice

13 comentários

  1. Céu sem estrelas parece ser um livro difícil de gerir. Mas infelizmente tão actual. Ficarei com o nome para ver se encontro para ler.

    ResponderExcluir
  2. Vou procurar por esse livro. Dá pra ver que se trata de temas bem pesados, mas infelizmente reais. Bjos!

    ResponderExcluir
  3. oi!
    Um livro maravilho e que nos faz nos emocionar e trata de assuntos atuais e importantes...

    ResponderExcluir
  4. Vejo muito do livro no meu dia a dia, mas acredito que o primeiro passo é a discussão em sociedade sobre esses temas delicados.

    Obg pelo post 💚

    ResponderExcluir
  5. Todas as pessoas lidam com a dor à sua maneira e às vezes isso pode levar a pensamentos suicidas como o protagonista desta história. De acordo com o que você nos conta.

    ResponderExcluir
  6. fiquei interessada, com certeza o nome já está anotado aqui, nas próximas compras ele será meu também ...

    ResponderExcluir
  7. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  8. Uma história comovente, adoro ler um livro com uma doce mistura de romance. Cecilia, uma menina gordinha que tem vergonha de seu corpo, deve ser muito frustrante. Isso tem acontecido com muitas garotas de sua idade. O autor retrata com serenidade essa bela e comovente história.

    ResponderExcluir
  9. Amei a resenha e já me identifiquei demais com Cecilia, uma menina gorda que por conta disso sofre muito na adolesência. Acho que toda garota gorda como eu, como cecilia já passou por isso. Já quero devorar essa leitura. Super pertinente para o momento atual. Beijos.

    ResponderExcluir
  10. Adoro o modo como compõe tuas resenhas.
    Com certeza quero ler essa também. Assunto atualíssimo.
    Obrigada por compartilhar, beijinhos <3

    ResponderExcluir
  11. Oie Alice! Esse parece ser um livro bem emocionante mesmo e repleto de temaa importantes para nos fazer refletir. Essa coisa de parar o livro pq estava sentindo muito as dores da personagem aconteceu comigo quando li Proibido!

    Beijos,
    Paloma Viricio💙💫

    ResponderExcluir
  12. Oi Alice, tudo bem? Ah, acho a edição desse livro tão linda. Fiquei bem curiosa em ler quando soube do lançamento. Relacionamentos as vezes não são nada fáceis, ainda mais se envolve família. Quando estamos na adolescência é difícil acreditar que os pais consigam nos compreender e aceitar como somos. Geralmente surgem discussões desnecessárias. De certa forma coopera para nosso amadurecimento concorda? Fico feliz que a protagonista tenha conseguido se encontrar, ainda mais com pessoas tão especiais ao lado dela. Um abraço, Érika =^.^=

    ResponderExcluir
  13. Oi Alice! Tudo certinho? Achei a capa do livro lindona e fiquei realmente curioso ao ler a sua resenha. Eu gosto de livros que tratam desse tema, tenho certa tendência a gostar. Acho que, no fim, sempre saímos meio transformados com a vivência! E esse é um tema que nos persegue a vida inteira! Adorei ler esse post!

    ResponderExcluir