[Resenha] O Impulso - Ashley Audrain

Olá amores, tudo bem?

Recebi a prova antecipada de O Impulso, que vai ser lançado dia 22 de janeiro pela Paralela, e hoje venho trazer minha opinião. Já adianto que foi uma leitura bem diferente de tudo que imaginava!

O Impulso
Autora: Ashley Audrain
Páginas: 328
Editora: Paralela
Onde comprar: Amazon
Nota:  
*Prova cedida pela editora
SINOPSE: 
Blythe Connor está decidida a ser a mãe perfeita, calorosa e acolhedora que nunca teve. Porém, no começo exaustivo da maternidade, ela descobre que sua filha Violet não se comporta como a maioria das crianças. Ou ela estaria imaginando? Seu marido Fox está certo de que é tudo fruto do cansaço e que essa é apenas uma fase difícil.
Conforme seus medos são ignorados, Blythe começa a duvidar da própria sanidade. Mas quando nasce Sam, o segundo filho do casal, a experiência de Blythe é completamente diferente, e até Violet parece se dar bem com o irmãozinho. Bem no momento em que a vida parecia estar finalmente se ajustando, um grave acidente faz tudo sair dos trilhos, e Blythe é obrigada a confrontar a verdade.
Neste eletrizante romance de estreia, Ashley Audrain escreve com maestria sobre o que os laços de família escondem e os dilemas invisíveis da maternidade, nos convidando a refletir: até onde precisamos ir para questionar aquilo em que acreditamos?
Blythe Connor é casada com Fox e tem um casamento feliz. Quando ela engravida, parece que eles finalmente vão ter uma família perfeita, só que as coisas não saem como Blythe imaginava.
A gravidez, o parto e os cuidados com Violet são extremamente exaustivos, e o comportamento da filha ao longo do tempo só deixa Blythe com dúvidas em relação à criança.

"Todos esperamos ter uma boa mãe, nos casar com uma boa mãe, ser uma boa mãe."

No decorrer dos anos, ela tenta se dedicar à Violet, mas parece que nada funciona com a garota. Além disso, o casamento com Fox entra em decadência. Quando Blythe engravida novamente, dessa vez ela dá à luz a um menino, Sam.
A experiência da maternidade com Sam é totalmente diferente e ela passa a orbitar ao redor do menino.

"Eu queria que alguém morresse. Eu ou o bebê. Naquele momento, não achava que sobreviveríamos uma à outra."
Porém, uma tragédia acaba abalando totalmente Blythe, fazendo-a começar a duvidar da sua própria sanidade e, principalmente, ficar mais alerta em relação à Violet.


Esse é um drama psicológico que prende o leitor do início ao fim. Dentro da cabeça da Blythe, vamos acompanhar todas as fases da mulher, que viveu momentos conturbados com a gravidez de Violet, mas se encontrou com a chegada de Sam.

"Eu estava tão decepcionada por ela ser minha."

Além de acompanharmos toda essa fase da maternidade e das relações que a Blythe constrói com os filhos e o marido, também vamos ter flashes do passado dela, que mostra o abandono da mãe que ela sofreu na adolescência. Na verdade, as mulheres da família materna de Blythe não foram bons exemplos ou boas mães. Blythe foi abandonada por Cecilia, enquanto Cecilia viu a mãe, Etta, se suicidar.

Analisar as ações e pensamentos de Blythe nos deixa cheios de dúvidas, pois em momento algum sabemos se a mulher está delirando ou se de fato tudo que ela está narrando é real. Não ter um narrador confiante deixa aquele clima de suspense na narrativa, algo que amo.

"Não confiava em mim mesma."

Os temas abordados são bem intensos, mostrando a depressão pós-parto, traumas familiares, o cansaço das mães e muitas outras coisas. 
A Ashley não narra o lado bonito da maternidade, não romantiza situações. Ela é certeira e crua ao mostrar para o leitor como ser mãe pode ser exaustivo e nada feliz em alguns casos. Perceber que uma mãe pode não amar o filho é chocante em um primeiro momento, mas, para mim, acima de tudo, foi algo que gostei de ver sendo abordado.

O desfecho desse livro me fez surtar. Temos um final que nem todos vão gostar, porém foi algo que me fez terminar a leitura e ficar refletindo ainda mais sobre tudo que tinha lido. É claro que gostaria de mais respostas, porém não foi um final que me desagradou.

"O coração de uma mãe se parte de um milhão de maneiras em sua vida."

O Impulso é uma leitura viciante e um drama psicológico bem escrito. Mostrando um lado sombrio da maternidade, temos uma mulher lidando com sentimentos conflitantes e com relações desafiadoras. Blythe não tem a vida que imaginou e ela não sabe se tudo que viu foi, de fato, real...

Beijos da Lice

9 comentários

  1. Oi Lice!
    Eis aí um livro que está me atiçando viu.
    Todo mundo que já conseguiu ler fala o quanto o livro é bom.
    Estou morrendo de ansiedade!
    Beijos

    Quanto Mais Livros Melhor

    ResponderExcluir
  2. Um história bem interessante, eu gosto de leituras que fazem refletir, é sinal de deixaram raízes dentro de nós. Acho que é isso que me atrai aos livros, o aprendizado que ficará quando chegar a ultima página,certamnete uma ótima indicação.bjus.

    ResponderExcluir
  3. Eu estou doida para ler esse e estou esperando chegar o meu.
    Adoro tramas com temas intensos e forte, um bom drama psicológico, ainda mais quando deixa essa dúvida se o personagem está delirando ou se tudo é real mesmo.
    Adorei sua resenha! bjs

    ResponderExcluir
  4. É um livro que vai deixar o leitor preso a leitura toda, é um drama que marca, assuntos de maternidade mexe muito, a sua resenha me deixou curiosa pelos temas abordados, bjs.

    ResponderExcluir
  5. Oi
    Eu adorei a dica 🙂 a historia parece ser bem interessante,ja quero ler

    ResponderExcluir
  6. Olá, Alice,
    Lendo a sinopse e a resenha chego a entender um pouco a Blythe, que passado triste o dela! Estou muito curiosa para acompanhar a trama e esse desfecho que a fez surtar.

    Beijos.

    ResponderExcluir
  7. Estou vendo muitas pessoas falarem desse livro. Eu não sei se tem relação, mas me lembrou muito o livro Verity!
    Pena que não curtiu tanto assim o final.

    Beijos,
    Paloma Viricio💫💙

    ResponderExcluir
  8. O livro perfeito foi cuidadosamente elaborado. Abortando como o nascimento de uma criança pode romper os laços de amor entre adultos e também fortalecê-los; como memórias de infância, esquecidas ou enterradas, voltam no próprio momento da crise materna. O livro de estreia de Ashley Audrain segurará certamente os leitores, até a última página.

    ResponderExcluir
  9. A sua resenha foi muito assertiva pois trouxe a essência do livro. Eu fiquei com muita vontade de ler pois adoro histórias que pegam um tema, desmistificam e mostram um lado que há pouca discussão sobre. Irei ler com toda certeza!

    ResponderExcluir