[Resenha] A Saga Gorjam: A Origem - Roberto Albuquerque dos Santos

Olá leitores, tudo bem?

Hoje é dia de resenha de um livro que adorei. Já tinha lido outro livro de A Saga Gorjam, mas agora li o primeiro da série, que dá origem a tudo. Ele dá um bom panorama da saga e deixa todos os fatos bem amarrados. Sem mais delongas, vamos a resenha!

A Saga Gorjam: A Origem
A Saga Gorjam, Livro 1
Autor: Roberto Albuquerque dos Santos
Páginas: 458
Editora: Viseu
Onde Comprar: Amazon / Editora Viseu
Nota: 
*Livro cedido pelo autor

SINOPSE: Gafry, Nerfat e Kiot, não podiam falhar em sua busca por um lugar onde os Gorjans pudessem sobreviver. O gelo cobria a face da terra conhecida e o frio dizimava - os a cada dia. Assim, depois de algum tempo, chegaram a uma região paradisíaca onde um volumoso rio dava origem a outros quatros. Ali, os Gorjans se multiplicam e se dividem em tribos, conhecidas como tribo Karssaim, Termharel e Cadhiam.
Tempos depois à morte dos primeiros líderes, a tendência pelo governo único entre eles se desencadeia e Fraterhey, um Gorjam da tribo Cadhiam, desafia os demais líderes, resultando em breve unificação.
Ruthader, um Gorjam Karssaim, junto com Vahamy, sua fêmea, se instala próximo a região onde o rio caudaloso se divide. O que ele não sabe, é que naquela região, em um bosque, habita uma grande serpente que parece ter interesse especial em duas criaturas desconhecidas dos Gorjans: Os humanos. Após ter contato com a Serpente, Lithel, uma das crias de Ruthader, dar início a uma cruel e sanguinária onda de mortes entre os Gorjans: A Ordem dos Altares. Porém é com Sucã, a mais cruel entre as Gorjans, que os sacrifícios à serpente se intensificam.
Depois da grande inundação que quase extermina todas as formas de vida sobre a face da terra, Fraterhey tem com Sucã um descendente que será conhecido como o maior de todos os Gorjans, Ákia, cuja amizade com Talder e seu encontro com Jantof, ambos humanos, tende a mudar a história entre homens e Gorjans, principalmente por causa das pedras raras Gorjans e a adaga de Lah' Mek.
Quando o gelo cobria as terras e os Gorjans estavam findando, Gafry, Nerfat e Kiot foram procurar um novo local para eles habitarem. Ao descerem as montanhas encontraram um lugar com clima quente, peixes e águas límpidas.
Todos os Gorjans foram levados para ali, mas eles não sabiam viver com tanto e logo entraram em conflito por regiões.

Os Gorjans foram então divididos em três tribos: Karssaim, Termharel e Cadhiam. Quando Grafy morreu, seus dois descendentes lutaram pela liderança dos Karssains, eram eles: Balter e Ruthader.
Mesmo tendo condição de vencer a luta, Ruthader perdeu e Balter foi denominado como o novo líder.
Logo depois, por causa de uma confusão, Ruthader acabou sendo expulso dos Karssains e Vahamy, a fêmea mais linda da tribo e desejada por todos os Gorjans, inclusive por Balter, decidiu ir com ele. 
Vahamy é uma fêmea Gorjam que sempre desejou alcançar o poder, ela quer comandar os Gorjans e pensa que ao lado de Ruthader conseguirá tal fato.

Enquanto Ruthader e Vahamy se acomodaram na região dos quatro rios, que era temida por ter uma  grande serpente vivendo nas grutas, as demais tribos entraram em combate.
Fraterhey, líder da tribo Cadhiam, tinha a ambição por poder e queria ser o dominador de todos os Gorjans. Assim, ele partiu para a tribo Termharel. Ele lutou com o líder Zertrew, ganhou e virou o novo líder deles. Após isso, Fraterhey partiu para a tribo Karssaim, mas Balter lhe entregou a liderança de bom grado.
"Antes de chegarem ao novo mundo, eles lutavam pela sobrevivência; agora, lutavam pelos melhores lugares da região."
Os Gorjans começaram a saber do lugar onde Ruthader estava e passaram a procurá-lo, inclusive Zertrew foi pedir abrigo a ele. A cada dia, o grupo de Ruthader estava maior, mas Vahamy não gostava da forma como ele liderava, estava  longe de ser o que ela desejava.
O lugar "protegido" pela serpente tinha seres estranhos para os Gorjans, que logo depois eles descobriram que eram chamados de humanos.

Ruthader e Vahamy tiveram uma cria, Lithel. A jovem Gorjam possuía um desejo de poder maior do que o da fêmea que lhe deu a vida e tinha planos audaciosos, que aumentaram quando ela teve contato com a Serpente e começou a matar alguns Gorjans. Quando consegue cruzar com Ruthader, Lithel teve sua própria cria: Sucã. E essa sim, era um perigo não apenas para os Gorjans, mas também para os humanos. 

Sucã era a personificação do mal e estava ligada diretamente a Serpente. Com ela, os sacrifícios dos Gorjans se tornaram mais frequentes e ela tinha planos audaciosos.
Alguém seria capaz de pará-la?


Este é um livro maravilhoso. As mais de 400 páginas não ficam mornas e o leitor consegue se envolver facilmente com a narrativa criada pelo autor. O foco neste livro é na origem dos Gorjans e toda a lenda criada em cima deles posteriormente. Essa lenda é conhecida em A Saga Gorjam: Nas Terras de Ákia.

Como li outra obra do autor (citada acima), que se passa depois dos acontecimentos desse livro, já conhecia um pouco sobre os Gorjans e seu modo de vida.
Os Gorjans são seres peludos e muito altos, que não possuem laços afetuosos ou familiares. A fêmea Gorjam escolhe um macho para cruzar em seu período fértil, mas não possui ligação com a cria que gera ou com o Gorjam macho com quem deitou, liberando-o logo depois do cruzamento. Então é comum nas tribos Gorjans, "pai e filha" se relacionarem posteriormente, o que aconteceu com Ruthader e Lithel.
"Ela está prestes a espalhar o terror entre os Gorjans, muito mais do que já está fazendo entre o grupo de Ruthader."
Ruthader foi um personagem que no início achei que gostaria bastante, mas que no decorrer da obra me decepcionou um pouco. Depois que cruzou com Lithel, algo mudou nele e o mesmo parou de enxergar o que estava à sua frente, colocando seus liderados em constante perigo.

Vahamy sempre desejou ter poder e não mediria esforços para conseguir. Sua cria Lithel, tinha essa ânsia ainda mais aflorada e depois que teve contato com a Serpente, começou a planejar sua forma de dominar/destruir todos os Gorjans. Mas, foi Sucã quem passou de todos os limites e realmente fez A Ordem dos Altares ter grandes sacrifícios de Gorjans e fez seu nome entre seu povo.
"A crueldade escolheu aquela beleza para se camuflar."
Além desses personagens, que são fundamentais para o enredo, preciso citar o Ákia. O Gorjam é uma cria de Sucã com Fraterhey e surgirá na metade do livro. Ele foi criado no meio da Ordem dos Altares e cresceu achando que tudo que era feito ali era o correto.
O jovem Gorjam vai descobrindo aos poucos os segredos que envolvem Sucã e ficando na dúvida se está fazendo o correto.


Toda a história foi bem construída pelo autor, que trouxe acontecimentos conhecidos por todos na história do mundo em sua obra. Podemos relacionar a Serpente que mora nas grutas, com a serpente que tentou Adão e Eva, já que só havia um casal de humanos no início do livro. Depois temos a grande enchente, onde Noé construiu sua arca, e isto também é colocado na obra. Mas, esses acontecimentos conhecidos por todos não são o foco da narrativa e o autor deixa claro que o intuito não era correlacioná-los a sua obra, eles apenas completam a história e mostram que os Gorjans existiam antes mesmo dos humanos.

O autor conseguiu criar um enredo completo, com detalhes valiosos que não se perdem durante a narrativa. Apesar da quantidade exorbitante de personagens dentro da história, conseguimos nos situar entre todos, o que para mim é fundamental.
A escrita do Roberto conseguiu me fisgar novamente e de certa forma já me acostumei com a construção que ele faz, fica mais fácil pegar o ritmo quando se conhece a escrita.
"A sua fome de poder o levou até ela [...] Você Fraterhey, é vítima de sua própria prepotência."
Um dos únicos pontos que me incomodaram durante a leitura foi o fato da obra flutuar entre presente e passado sem uma indicação clara. Isso acaba confundindo o leitor, que precisa voltar muitas vezes para reler e entender em que tempo está se passando aquela situação. Este fato acabou tornando minha leitura mais lenta, e poderia ter sido facilmente corrigido com o uso do itálico para indicar o passado.

O desfecho desse volume está inteiramente ligado ao próximo volume da saga e perceber como realmente foi a origem dos Gorjans, foi magnífico. 
Todos os acontecimentos finais estão repletos de ação e nos deixam curiosos para saber o que acontecerá nas próximas páginas. Mais uma vez o autor fez bom uso dos plots twists e conseguiu cumprir o que desejava: entregar uma boa obra.
"Não há maior entre os Gorjans ou entre os humanos; há só os que sobrevivem e persistem em viver."
Não são apenas os humanos que buscam poder. Nessa história iremos perceber como os Gorjans tinham tudo para ser um grupo pacífico, mas a ambição acabou destruindo esta possibilidade.
Uma jovem Gorjam deseja mudar o rumo deles e também dos humanos, e para isso ela vai se aliar a Serpente, criando uma ordem. 
A Saga Gorjam: A Origem é uma fantasia épica bem escrita, com um enredo bem construído e personagens que despertam sentimentos, sejam bons ou ruins. Conhecer a origem dos Gorjans te permitirá conhecer também outro lado desses seres, um lado que assusta e causa medo...

Beijos da Lice

11 comentários

  1. Muito bom! Fiquei animada em saber que o livro deixa o leitor ligado durante toda a leitura. Esse é um dos pontos que me agrada muito em uma obra. Esse ponto do presente e passado realmente é ruim quando não se tem uma explicação. Mas enfim...acho que mesmo assim vale ler.
    Beijos,
    Monólogo de Julieta

    ResponderExcluir
  2. Interessante essas conexões bíblicas, senti essa identificação logo no início, quando da divisão das tribos (me veio à mente as 12 tribos de Israel). Apesar das 400 páginas o autor conseguiu manter o ritmo ágil, que talento! A estória parece ser fascinante, realmente uma grande saga do gênero fantasia.

    ResponderExcluir
  3. Achei bem interessante as claras referências bíblicas, como a Patrícia comentou, acho legal quando fazem releituras dessas histórias. Consigo ver algumas dessas referências apenas lendo sua resenha. Além da serpente tem o dilúvio.

    Bem legal! <3

    ______
    Sobre mim:
    Jovem estudante entusiasta de Psicologia que sofre com Transtorno Afetivo Bipolar (TAB). No meu blog você vai encontrar desde artigos técnicos informativos de Psicologia, Psicanálise e Saúde Mental, a também reflexões, desenhos e poemas de minha autoria.

    ______
    🌐 Relatos de um Garoto de Outro Planeta
    👍 Facebook: Relatos de um Garoto de Outro Planeta

    ResponderExcluir
  4. Olá, gostei de sua resenha!!! Parece ser um livro muito legal! Gostei da sua opinião!

    ResponderExcluir
  5. oi!
    Eu adorei a dica :D o livro é bem interessante, não conhecia o trabalho do autor. Já coloquei na lista de leitura ;)

    ResponderExcluir
  6. Amiga que tudo amo livro que prende a nossa leitura até porque um livro que você lê lê e não chama a sua atenção já fico no tédio adorei as conexões bíblicas e ja vou colocar esse livro para mim ler

    ResponderExcluir
  7. Eu não conhecia o livro, mas me apaixonei pela sua resenha. Ual, 400 páginas e em nenhum momento a história ficou morna? Definitivamente eu preciso ler esse livro. Obrigado por compartilhar.

    ResponderExcluir
  8. Não conhecia a obra e achei bem interessante, o fato de ter 400 páginas e a autor ter mantido um ritmo bom de leitura me deixou mais animada ainda para ler, com certeza vai para a minha wishlist.

    ResponderExcluir
  9. Oi Alice!
    O livro parece ter uma temática interessante! Parece estar cada vez mais em voga estas histórias que misturam fantasia e ficção; eu confesso que não é muito o meu estilo de leitura favorito e eu não sei se teria paciência de ler algo assim com 400 páginas...
    Gosto da forma como você escreve suas resenhas, sempre cheias de sentimento. Parabéns!

    ResponderExcluir
  10. Parece uma história bem desenvolvida e cheia de detalhes, acho que deve envolver bastante a gente quando está lendo. Achei bastante criativo.
    Beijos
    Mari
    Pequenos Retalhos

    ResponderExcluir
  11. Achei fantástica sua leitura, fiquei sim interessado na obra, mas meio receoso por ser muito grande e pelo assunto,de perder o interesse da leitura no meio do caminho e abandonar a obra.

    ResponderExcluir