[Resenha] A Fogueira da Bruxa - Barbara Sena

Olá bruxinhos, tudo bem?

Hoje sentei aqui para escrever essa resenha e não sei bem como expressar meus sentimentos em relação a essa obra. Mas, espero de verdade conseguir colocar aqui tudo que senti ao realizar essa leitura. Porém, antes de tudo, só digo algo: LEIAM ESSE LIVRO!

A Fogueira da Bruxa
Autora: Barbara Sena
Páginas: 242
Editora: Coerência
Onde Comprar: Editora Coerência / Amazon
Nota: 
*Livro cedido pela autora
SINOPSE: No fim da Idade Média, a Europa foi varrida pelo medo e o terror, e permitiu que a Santa Inquisição a livrasse de todo o mal que a cercava, as bruxas.
Durante décadas milhões de mulheres foram perseguidas, torturadas e condenadas por crimes que não cometeram e o resultado da ignorância e histeria coletiva, foi uma profunda cicatriz na história da humanidade.
No meio do horror que devastava o continente, Allegra Bellini, uma jovem questionadora do interior da Toscana, vê sua vida pacata se transformar quando no ano de 1492, inquisidores visitam a sua vila e o fogo da purificação dos hereges chega mais perto do que ela jamais havia imaginado.
Em certas épocas falar e lutar pelo que acredita pode ser perigoso e salvar uma vida pode trazer a condenação à outra, a sua própria vida.
Quando o bem lutava para erradicar o mal do mundo, e as mulheres eram silenciadas, Allegra ousou questionar quem são verdadeiramente os bons e os maus. Quem são os vilões e quem são as vítimas e quem define isso.
Em A Fogueira da Bruxa, você vai descobrir que talvez os livros de História não tenham te contado toda a verdade sobre as bruxas...
Allegra Bellini é uma jovem que vive na Toscana com seus pais, Enzo e Donatella, no fim da Idade Média. Sua pequena vila, Monticiano, sempre foi pacífica e viveu aos preceitos da Igreja Católica. 
Quando o padre Lorenzo anunciou ao pequeno vilarejo que bruxas estavam infestando a Terra e causando o mal, e que em breve a Santa Inquisição chegaria a Monticiano para verificar se existia alguma bruxa entre as moradoras, todos ficaram assustados.

No momento em que os inquisidores Heinrich, Willhelm e Klaus pisaram em Monticiano tudo desandou na vida de Allegra.
Francesca, a serva da casa dos Bellini, foi uma das primeiras a serem levadas pelos inquisidores para ser investigada sobre a acusação de bruxaria. Allegra tentou de tudo para salvar Francesca, que de fato era uma bruxa, mas a única coisa que conseguiu foi "impedir" que ela morresse queimada na fogueira, morrendo assim por uma quantidade excessiva de uma erva.
"O homem é o único responsável pelo mal que pratica. Ninguém mais. Nós, bruxas, não cremos em total pureza ou maldade do ser humano. Todos carregam em si o poder de fazer o bem ou o mal, e todos são livres para escolher."
Só que a ajuda de Allegra a Francesca acabou chamando a atenção do inquisidor bispo Klaus, que a acusou de ser uma bruxa. E assim, Allegra teve seu futuro modificado e descobriu que o mal pode está vestido de bem...


QUE LIVRÃO DA PORRA! É impossível não soltar essa frase depois de terminar esta leitura. A Barbara deu a cara a tapa quando resolveu escrever uma história sobre as bruxas no período da Inquisição sem esses esteriótipos que percebemos nos filmes de "caça as bruxas".

Neste livro iremos ver que as bruxas não são, de forma alguma, o mal que habitava a Terra. Esse mal tão temido por todos estava nos homens que as queriam mortas.
Na verdade, a Barbara escancara como as mulheres eram temidas naquela época e percebemos o quanto isto ainda é real. É claro que a sociedade evoluiu em várias questões, mas os homens ainda nos temem, principalmente quando nos juntamos.
"As mulheres já têm inimigos demais... se permanecermos separadas, competindo e falando mal uma das outras, eles vão conseguir enfraquecer e destruir uma a uma. Mas... se nos unirmos, o mundo pode ser um lugar muito melhor para nós."
A Allegra é aquela personagem que você deseja apenas exaltar, porque eita bicha maravilhosa. Ela não faz o tipo de mulher que se cala diante absurdos e sempre se questionou internamente (e até externamente) sobre as ações da igreja e de como as mulheres eram vistas. Isto aumentou quando flagrou o padre beijando uma mulher casada.

Allegra não é uma mocinha que precisa ser salva, ela é a rebelião e carrega com ela todas as questões das mulheres da época. Durante a narrativa só teremos um crescimento da personagem e quando no final ela me surpreendeu com algumas ações, fiquei apenas de queixo caído. Sem sombra de dúvidas, uma das mulheres mais fortes, empoderadas, determinadas e inspiradoras que conheci no universo literário.
"As pessoas são capazes de cometer as maiores atrocidades quando se sentem ameaçadas. Até mesmo as que deveriam ser as mais benevolentes"
A Barbara mostra através do enredo que fez uma pesquisa minuciosa sobre esta época e retrata a Inquisição com muita verdade e de forma dolorosa. Muitas mulheres foram queimadas injustamente na fogueira, pois não tinham ligação alguma com bruxaria, e mesmo que tivessem, elas não eram as vilãs da história.
Trazer as bruxas do outro lado da história foi algo arriscado, mas creio que seja uma verdade que  a autora carregue e isso transforma a história e nos faz acreditar em sua verdade. 


Os assuntos que autora deixa para reflexão são inúmeros. Primeiro, ela exalta esse poder da mulher, mostrando que unidas somos imbatíveis. Segundo, somos levadas a pensar na mulher vista hoje em dia e em muitas atitudes que nos desmerece. Por que nos calamos? E terceiro, ela traz na Allegra toda a revolta das mulheres que foram queimadas, e assim nos queima um pouco por dentro, mostrando o quanto precisamos nos posicionar como ela e lutar pelo o que acreditamos, mesmo que vá contra a maioria das pessoas. 

Narrado em terceira pessoa, o livro está dividido em alguns momentos. No primeiro vemos como a vida da Allegra mudou com a chegada da Inquisição a sua vila. Logo depois passamos por um momento de descoberta dela, onde temos uma pitada leve de romance. E finalmente temos uma reviravolta na história de Allegra, que decide assumir as rédeas de sua vida e mudar a história de muitas pessoas. Nessa parte aqui eu só sabia exaltar esse mulherão da porra.
"O conhecimento na mão dos homens é visto como uma benção, mas nas mãos das mulheres é visto como uma maldição, um perigo à sociedade."
A edição está maravilhosa. A capa representa muito bem toda a história, o livro tem uma diagramação agradável e uma revisão nos padrões. Mas uma bela edição da Editora Coerência, que arrasa demais sempre!

A Fogueira da Bruxa é uma fantasia importante. Trazendo as bruxas como pano de fundo, a autora soube mostrar outra faceta da história conhecida por todos, mostrando os reais vilões. Uma obra que toca profundamente em alguns momentos, em outros nos assusta e nos arremeta com muita força. Allegra não é apenas mais uma mulher que vai ser queimada na fogueira como bruxa, Allegra é a força das mulheres unidas que queimam nos poros dela.

Beijos da Lice

12 comentários

  1. Muito legal este tipo de literatura. Pois como sabemos a historia é contada da perspectiva de quem ganha a igreja tina muito poder e manter as mulheres subjugadas garantia um om controle da sociedade. Fiquei extremamente curiosa com esta historia. Beijos

    ResponderExcluir
  2. oi!
    É realmente fantástica a premissa da história. Eu particularmente gosto muito de histórias que tenham esse lado sombrio :D

    ResponderExcluir
  3. Olá bruxinha,
    Haha gosto de leitura com lados sombrios, isso vem desde pequena sempre fui a que assustava sempre meus irmãos com histórias inventadas. E esse leitura deve ser incrível.

    ResponderExcluir
  4. Adorei a sua resenha, minha amiga falou muito bem desse livro (já encaminhei seu post pra ela) Eu ainda não li, mas depois de duas opiniões tão positivas já coloquei na minha lista.

    ResponderExcluir
  5. Eu li que as mulheres que foram queimadas como bruxas eram mulheres fortes, que não se deixavam dominar por macho escroto e isso fez com que a parte conservadora (lê-se hipócrita) da humanidade, a acusasse de bruxaria e a queimassem. Eu não conhecia esse livro, mas adorei a sua resenha.

    ResponderExcluir
  6. Atmosfera muito bacana e criativa... Subversiva até... Fiquei instigado para conhecer a obra. Gosto de coisas que saem do lugar comum.

    ResponderExcluir
  7. Oi Alice, tudo bom?
    Você me deixou muito curiosa em ler esse livro. A temática dele é realmente muito interessante e já entrou pra minha lista de livros. Obrigada por compartilhar.

    ResponderExcluir
  8. Achei interessante e convidativa essa leitura, confesso que minha curiosidade ficou bem aguçada por querer saber da história na íntegra.

    ResponderExcluir
  9. O livro parece maravilhoso mesmo, adorei sua resenha!

    ResponderExcluir
  10. Oie, eu adoro enredos desenvolvidos na idade média e que tragam a temática religiosa e mística ao mesmo tempo. O livro pareceu incrível por sua descrição. Gostei da ideia do enredo seguir com as questões sociais e univerno feminino e não direcionar apenas ao romance. Espero poder ler em breve. Abraços!

    ResponderExcluir
  11. Ah adoro quando os temas fogem do clichê e por tratar da força da personagem feminina em frente a ignorância me animou mais ainda em ler, querendo não um tema tão atual. Já adicionei na minha lista de leitura. Parabéns pela resenha, como sempre ótima analise da obra.

    ResponderExcluir
  12. A sua resenha me fez desejar esse livro. Quero muito ler!
    A capa é lindíssima e a história foge do que estamos acostumados a ver.

    ResponderExcluir