[Resenha] O Portador da Luz - Sylvana Camello

Olá leitores, tudo bem?

Hoje venho trazer a resenha de um livro que me surpreendeu e me proporcionou bons momentos de leitura. Espero que gostem de conhecer!

O Portador da Luz
Autora: Sylvana Camello
Páginas: 336
Editora: Coerência
Onde comprar: Editora Coerência | Amazon
Nota: 
*Livro cedido pela autora
SINOPSE: Em tempos de paz, os Etéreos habitavam as planícies do Paraíso. Num dia ensolarado, um ser chamado de Vênus apareceu por lá. Portando asas negras, demonstrava ter boa falácia e a elegância forçada dos mentirosos. Mesmo desconhecendo as origens da sedutora criatura, os bem-aventurados do Éden lhe ofertaram os segredos da criação. Não demorou para que esse ser hermético instituísse suas vontades sobre o Paraíso e se revelasse como o Demônio.
No entanto, outro ser também peculiar habitava aquelas planícies. Chamado de Adonai pelas forças místicas, liderou os Etéreos contra o monstro que os oprimia. Em sangrenta batalha nos Jardins do Éden, devolveu a liberdade ao povo do Paraíso e o fulgor de suas glebas. Agradecidos pela valentia daquele ser sem asas, os bem-aventurados lhe ofertaram o trono do Éden. Foi nesse dia que o bichinho carpinteiro da mudança cochichou nos ouvidos das dimensões: “Chegou a hora de criar novos mundos”. Adonai (conhecido como Deus por essas bandas de cá) recebeu o poder supremo da criação pelos braços do Cosmo.
Começamos esse livro conhecendo como Deus, mas precisamente Adonai, se tornou o Todo-Poderoso
Para se transformar em Deus, Adonai derrotou o Demônio (Vênus), um ser com asas negras que revelou sua face depois de um tempo com os seres do Éden, e foi assim que ele transformou os Etéreos em anjos e criou todas as coisas do mundo.

Logo depois, Adonai encontrou três pequenos anjos que tinham almas e eles foram nomeados como seus filhos. O mais velho era chamado de Gabriel, o do meio de Emanuel e o caçula de Lúcifer. Os três tinham personalidades distintas: Gabriel, o líder; Emanuel, o sábio; e Lúcifer, o único que tentava enganar a Deus. 

O tempo foi passando, os irmãos se mostrando mais diferentes e a Terra foi entrando em colapso, havia um enorme desequilíbrio. Com o propósito de manter o equilíbrio no mundo, Adonai mandou resgatarem as asas negras do Demônio que um dia tomou o céu, pois precisava dá-las a alguém, aquele que iria se tornar o responsável pelo o inferno.
"Julgavam-no sem conhecê-lo. [...] Sempre fora criticado, insultado e preterido. Pagou um preço caro por ser diferente"
O escolhido para tal posto foi o filho caçula, Lúcifer. Assim, ele ganhou o trono do Submundo e começou a formar seu próprio exército com almas que na Terra foram poderosas e imponentes. Lúcifer se tornou poderoso, mas em contrapartida também teve a inveja de Gabriel nutrida contra si e foi tendo seu posto desejado por outros demônios.

E desta forma, iremos conhecer as batalhas de Lúcifer e como séculos depois ele precisa ser resgatado, e anjos e demônios procuram o portador da luz, aquele que pode restaurar o equilíbrio no universo.
Seria Lúcifer um vilão ou um herói mal compreendido?


Esta é uma fantasia nada menos do que ESPETACULAR. A autora teve uma grande sacada ao trazer acontecimentos históricos e colocar por traz deles a influência do céu e do inferno. 
Lúcifer não é colocado nesta obra como um ser totalmente mal, além de que ele não traiu seu pai para ir ao inferno. O trono do Submundo foi ofertado a ele, e como um bom filho ele tomou para si a missão de manter o equilíbrio do mundo com a criação do inferno.

As primeiras 25 páginas foram um pouco lentas para mim, mas depois que você se situa na narrativa, a história simplesmente flui e você não consegue mais largar.
A Sylvana conseguiu colocar vários tons dentro da narrativa. Temos os fatos históricos carregados de drama em alguns momentos, mas também um alívio cômico leve que funcionou maravilhosamente bem.
"Tudo e todos são frutos de um propósito único. Por isso que as linhas do destino são frágeis, qualquer farfalhar as tira do prumo, causando estragos irrecuperáveis"
O livro tem muitos acontecimentos, mas decidi não narrá-los por completo, pois creio que isto faz o leitor perder um pouco da graça de adentrar na história e conhecer por si só o que foi criado por uma mente incrível como a da autora.
Mas, garanto que é um livro que foge da linearidade e que tem muita ação, tudo na dose certa.

Uma das coisas mais legais é que a Sylvana mostrou de forma clara o quanto Gabriel tinha inveja do poder de Lúcifer e de como seu irmão era tratado pelo pai. 
Ademais, a autora também conseguiu colocar em seu enredo pequenas críticas. Ela critica o fato das mulheres serem estrupadas com facilidade antigamente; da falsa moralidade das igrejas, que criticam ações que estão cometendo; e também de como Lúcifer conseguia seguir os preceitos de Deus mais do que os próprios anjos, mesmo ele sendo um Demônio.
"— O Demônio é capaz de amar, pai?
— Por que não seria? Ele veio de nós. Se somos capazes de odiar, por que ele não seria capaz de amar?"
É possível sentirmos empatia por Lúcifer em alguns momentos, já que ele vai mostrar que existe algo de bom dentro dele.
Ele vai tomar algumas atitudes que nos faz pensar se existe amor nele. Minha aposta é que sim. No final de tudo, todos nós erramos, mas o que faz diferença é o que levamos dentro de nós.

A escrita da Sylvana foi uma surpresa e ela consegue manter a narrativa em uma linha positiva, ora trazendo surpresas, ora colocando uma narrativa mais leve e ora sendo mais incisiva. 
Quanto a edição, o livro está incrível. A capa passa de forma clara a ideia do enredo, a diagramação está bem feita e a revisão não tem erros graves.
"O amor é um sentimento cheio de incoerências"
O Portador da Luz é uma fantasia bem construída, pautada de reflexões nas entrelinhas e que conquista o leitor com facilidade. A autora foi corajosa ao trazer a religião como pauta em sua ficção e soube fazer isso com maestria. Não é apenas uma obra para os amantes de fantasia, mas uma narrativa que pode ser levada, entendida e compreendida na nossa vida. O portador da luz precisa ser encontrando, o equilíbrio tem que se restaurado e Lúcifer é a chave para tudo... 

Beijos da Lice

7 comentários

  1. Que autora mais criativa! Confesso que não sou fã deste tipo de literatura mas me empolguei com sua resenha!

    ResponderExcluir
  2. Gostei demais da sua resenha. Bem completa.

    ResponderExcluir
  3. Gosto também de livros que se referem como ilustração algumas coisas da Bíblia (no livro diz e se refere o bem aventurado do Édem) lógico que tem um significado no livro, mas gosto.
    Resenha maravilhosa Parabéns
    Bjs,
    https://keilycesporkeilaluciablog.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  4. Oi Alice,

    Eu até gosto de fantasias, mas só em filmes. Livros me deixam muito confusa e me entediam facilmente... Em bem queria gostar mais desse gênero, porque com certeza, me faria viajar ainda mais durante a leitura.
    Apesar de não ser um gênero que eu goste, fiquei curiosa pela história principalmente por causa dessa mistura de personagens da Bíblia e momentos históricos.
    Arrasou na resenha!

    Grande beijo,
    https://almde50tons.wordpress.com/

    ResponderExcluir
  5. Oii, tudo bem? Eu estou muito ansiosa para ler esse livro, acho a capa linda e sua resenha só reforçou a minha curiosidade e ansiedade!
    Um beijo.

    ResponderExcluir
  6. Oi Alice. Eu adoro livros de fantasia. E de tantos, que muitos costumam ter uma base parecida. O que me despertou o maior interesse nesse, foi como parece ser diferente. Claro que o tema anjos já foi debatido, mas acho que nunca de maneiro onde Gabriel era invejoso e Lúcifer alguém do bem, que aceitou seu posto como agrado ao pai. Achei bem promissor e arriscado da autora tomar esse lado, além de diferente. Fiquei bem curiosa para saber como tudo se desenvolve. Além da capa ser bem bonita. Adorei a resenha. Beijos
    https://almde50tons.wordpress.com/

    ResponderExcluir
  7. Bem legal, não conhecia, não a acheu tao espetacular, meio copia da biblia, mas tudo bem, oque Vale é a leitura e desperta a criatividade.

    ResponderExcluir