[Resenha] Krystallo: Jornadas para Além das Fronteiras - Raphael Fraemam

Olá leitores,

Terminei essa obra em alguns dias e gostei bastante do que encontrei, principalmente pelas críticas embutidas dentro do enredo. Espero que gostem de conhecer!

Krystallo: Jornadas para Além das Fronteiras
Autor: Raphael Fraemam
Páginas: 390
Editora: Independente
Onde comprar: Amazon
Nota: 
*E-book cedido pelo autor
SINOPSE: As duas maiores potências de Emperon travam uma guerra secular para garantir o controle dos cristais de energia. Foi por causa de um atentado em Econ que Tomé Stalmer começou a suspeitar da verdade que o governo apregoava. E é no dia de seu aniversário que Gray Frost é forçada a deixar Opus, o seu lar.
As jornadas para além das fronteiras narram uma história de piratas e soldados de elite, inteligência e mistério, confiança e tragédia. Cada um luta para sobreviver ao mesmo tempo em que busca compreender os segredos por trás dos acontecimentos que mudaram o curso da História.
Econ e Opus são as duas maiores potências do mundo atualmente e travam uma guerra que já dura mais de 100 anos pelo controle dos cristais de energias, que mantêm as duas cidades abastecidas. 
No passado, os dois países se uniram para destruir a Catria, que era comandada por uma ditadura. Com a vitória e a iminente guerra, Econ e Opus assinaram um tratado de paz para deixar os seus habitantes de fora dessa guerra. 

Tomé Stalmer é um jovem de Ecos, que leva uma vida média para o padrão do país. Em Ecos os adolescentes que estudam em casa e precisam comprar pacotes de vídeos para estudo. Aqueles que possuem mais condições, consequentemente terão um estudo melhor e assim a oportunidade de passarem para a universidade. Em Ecos as desigualdades são visíveis pelas ruas.
"Ele se sentia mal por ter nascido em um ambiente privilegiado e por existirem pessoas naquela situação de miséria, sem oportunidades"
Já em Opus vamos acompanhar a vida de Gray. A adolescente estuda muitas horas por dias para alcançar seu objetivo que é chegar na universidade. Diferente de Ecos, não existem desigualdades latentes em Opus, todos recebem praticamente o mesmo salário e possuem oportunidade de empregos. Por outro lado, ninguém tem moradia própria e pagam uma taxa ao governo, além de um toque de recolher.

Os dois jovens vivem distintamente. Quando Tomé filma um atentado a Econ, que teria sido culpa de Opus, ele começa a perceber talvez nem tudo aquilo que é dito seja verdade. Tomé vai parar em um lugar desconhecido e assim, descobre muitas coisas.
Gray, por sua vez, é sequestrada no dia do seu aniversário e acaba em um navio junto com mais alguns adolescentes.

Tomé e Gray são apenas alguns dos personagens que estão descobrindo segredos escondidos por Econ e Opus. Mentiras foram contadas e a busca pela verdade está apena começando...


Este é um daqueles livros que te fazem ficar vidrado no enredo e que retrata uma situação política interessante, e com várias críticas subentendidas. 
Econ e Opus são dois governos que escondem inúmeros segredos de sua população, basicamente os dois países contaram muitas mentiras no último século.

Apesar de ter um foco maior em Tomé e Gray, a narração também abarca outros núcleos. Então, não temos apenas capítulos mostrando o que Tomé e Gray estão passando, mas o que seus familiares que ficaram em seus países estão fazendo ou descobrindo. O destaque vai para o irmão de Tomé, Ricardo; e a melhor amiga de Gray, Maggi.
"Tratar diferente só por conta do páis de nascimento é discriminar. É segregar"
Não posso falar muito deste enredo, porque estragaria a surpresa da leitura. O que posso adiantar é que Tomé enfrentará algumas aventuras junto com um grupo de pessoas. Adorei como ele se integrou ao grupo. 
Já Gray também vai passar por boas aventuras, seja em um navio pirata ou sozinha, quando segredos mais importantes serão revelados a ela.

As críticas embutidas na narração estão relacionadas ao desejo de algumas pessoas em implementarem uma ditadura e acabarem com o direito de voto da população. Ainda temos uma crítica em relação as mentiras contadas para o povo, assim como é fácil um governo manipular seus cidadãos através da mídia. Ler as entrelinhas desse livro, vai permitir que você retire muitas reflexões interessantes, tanto para a trama, como a "vida real".

A escrita do Raphael me surpreendeu. Ele entregou uma distopia com muitos elementos e que mesmo assim não se perde em seu contexto. O foco de tudo são os cristais desejados por Ecos e Opus. Esses cristais são os Krystallos e cada país possui um cristal que fornece energia para eles, fazendo assim com que possam se desenvolverem.
"Quando é que você vai entender que não é porque o governo atual é ruim que temos que legitimar outro pior?"
Krystallo é um livro com críticas e repleto de revelações. Um emaranhado de mentiras existem, e Tomé e Gray vão descobrir os segredos escondidos. Nem tudo é o que parece e a jornada além das fronteiras de Ecos e Opus apenas começaram.

Beijos da Lice

11 comentários

  1. Oi Alice!

    Eu gostei do que li. Gostei muito da crítica mesmo. A questão da desigualdade (o rico e o pobre), a oportunidade e a falta dela... é um livro que tem uma crítica política bem forte pelo que vi e mostra mesmo como vivemos divisões escrotas nessa vida.

    Bjão
    Diego | www.vidaeletras.com.br

    ResponderExcluir
  2. O incrível do poder da literatura é justamente o fato de nós fazer refletir sobre assuntos importantes, de uma forma que nem percebemos. É maravilhoso perceber que mesmo os livros de fantasia estão fazendo este papel. Eu não li este livro da sua resenha ainda, mas pelo teu post da pra perceber que o tema dele é instigante e profundo.
    Parabéns pela resenha.

    ResponderExcluir
  3. Oi Alice! Eu tenho lido muitos livros que vem lidando com uma questão política muito latente. Ainda que possam não ser o foco da história, mas que estão lá. E acho bem legal que temos muitos gêneros falando sobre isso, especialmente os de fantasia e distopia. Com certeza a sua resenha me fez querer ler o livro e descobrir como as coisas se desenrolam. Beijos
    https://almde50tons.wordpress.com/

    ResponderExcluir
  4. Olá
    Bem interessante, gosto bastante de livros com essa pegada distópica, também gostou dessa coisa da manipulação do povo para mobiliza-Los, mas tem que sempre tomar cuidado para que o livro acabe não virando um panfleto de opiniões do autor e tirar a fluidez da trama. Fiquei curiosa com o desfecho.

    ResponderExcluir
  5. Muita interessante essa resenha .Pelo pude perceber tem muito haver com a situação politica atual,mesmo os personagens vivendo em países diferentes,onde mostra duas realidades.isso deve ter sido bom para a troca de experiências entre os personagens.Fatos estes vivenciado dentro da nossa realidade como a desorganização politica a desigualdade,conflitos etc.Muito bom! Parabéns pelo resenha!

    ResponderExcluir
  6. Oi. Alice.
    Estou lendo esse livro também e apesar de estar ainda no começo, já estou adorando. Gosto muito de livros que nos abrem os olhos para situações reais, mesmo que o enredo seja ficcional.
    Esse quote é maravilhoso, extremamente real, uma pena que ainda não aprendemos com ele.
    Estou ansiosa para terminar o livro.

    Abraços!

    ResponderExcluir
  7. Oi. Muito boa sua resenha, me deu muita vontade de ler. Pelo que li, a história deve ser muito interessante. Quem sabe não entra para minha lista

    ResponderExcluir
  8. Eu li a obra em parceria com o escritor e gostei demais da história, ela é repleta de surpresas e possui um enredo intenso e aventureiro. Recomendo a leitura para todos.

    ResponderExcluir
  9. Gostei da temática e a prerrogativa do enredo é boa. A resenha tornou o livro bem atraente. Gostei da dica.

    ResponderExcluir
  10. Oi Alice,

    Adoro livros que vêm com algumas críticas sociais e políticas importantes. Acho que uma das maiores funções dos livros é, justamente, essa. Ainda mais esse assunto de ditadura e repressão que é tão atual em muitos lugares do mundo, infelizmente.
    Parabéns pela resenha!

    Grande beijo,
    https://almde50tons.wordpress.com/

    ResponderExcluir
  11. Achei muito interessante o fato de a história trazer a visão dos diferentes personagens. Ótima resenha.

    Tatiana

    ResponderExcluir