[Resenha] Nós no Subjetivo - Hellen Cristina

Olá leitores, tudo bem?

Hoje venho trazer a resenha de um livro que me proporcionou algumas reflexões durante a leitura e me levou a boas indagações.

Nós no Subjetivo
Autora: Hellen cristina
Páginas: 202
Editora: Skull
Onde Comprar: Editora Skull
Nota: 
*E-book cedido pela autora
SINOPSE: A vida pode ser comparada a uma batalha, principalmente quando se é jovem e carrega dentro de si imensidões já reveladas e a se descobrir, Ana é uma garota de 13 anos valente, com sangue quente, apreço pela arte e seus momentos de isolamento, Luiz e sua irmã Diana externamente não poderiam ser mais diferentes enquanto ela é fria, reservada e tímida, parece renegar o mundo se escondendo em si mesma e na escrita, sua forma de expressão, ele é carismático, sensível e assim como Ana sua arma e escudo se encontra na arte, seus preciosos desenhos. Em comum, além da amizade os três dividem o desejo e a necessidade de colaborar para um mundo melhor, seja através de ideias ou mesmo de ações, são adolescentes comuns, não são sobre humanos ou especiais, Ana é uma índigo e os gêmeos são cristais. É preciso que se questione, que se reconheça os erros, visualize possíveis soluções e o mais importante que se enxergue e valorize a preciosidade do humano em si, afinal como é possível que em pleno século XXI ainda se verifique realidades como desigualdade social, intolerância, preconceito e o desconhecimento ou desconsideração por temas que deveriam ser simplistas como o autoconhecimento, Quem nós somos? Por que estamos aqui? O que verdadeiramente nos cerca? O que justifica a atual constituição social? No campo do Sutil como se caracteriza Nós? Miramos no invisível, apanhamos e ofertamosa porcos e corcéis.
Ana é uma garota de 13 anos que mora na ensolarada e pequena Lençóis, uma cidadezinha típica do interior. Mesmo sendo tão jovem, Ana é o tipo de pessoa que carrega muita imensidão e questionamentos dentro de si, além do apreço pela arte. Tais pensamentos são expostos e discutidos esporadicamente com seus amigos, Luiz e Diana.

Luiz e Diana são irmãos gêmeos, mas são opostos em suas personalidades. Luiz é carismático, adora se expressar através de seus desenhos, que se torna sua forma de explorar o mundo. Diana, por sua vez, é recatada e esconde tudo dentro da sua escrita.
"A questão é que não se pode alterar realmente o meio sem tocar nas estruturas, quero dizer, nas sutilezas, entende? Nós somos livres"
Enquanto o lar de Ana é tranquilo, com seus pais Laila e Guilherme, no de Luiz e Diana não acontece o mesmo. O pai deles, Pedro, é um homem insatisfeito com tudo a sua volta e que desconfia de sua mulher, pois no passado ela o traiu. O clima na casa é sempre pesado, e se agrava toda vez que Sabrina "não cumpre seu papel" de esposa, como o marido deseja.

Certo dia, no colégio, Ana acabou brigando com um garoto para defender seus amigos. Ela sabia perder as estribeiras e ser violenta em alguns casos. A briga acabou rendendo alguns dias de suspensão para Ana. Dias esses que ela vai dedicar a estudar sobre o que lhe agrada e questionar sobre o rumo do mundo, das pessoas, da pequena Lençóis, dela mesma...
Esse livro foi uma surpresa para mim. Jamais imaginava que o enredo iria trazer tantas questões de teor filosófico. 
A narrativa possui um linguajar um pouco mais rebuscado e todas as linhas devem ser lidas com total atenção.

Este fato, ao mesmo tempo é positivo, mas também pode se tornar negativo para algumas pessoas. Particularmente, adoro livros assim, que trazem esta carga filosófica e que me tiram da minha zona de conforto. Mas, entendo que para algumas pessoas, esses questionamentos juntamente com o linguajar irão tornar a leitura massante/cansativa.
"O segredo é ver além, esquecer convenções, aparências e estereótipos"
O que de fato me deixou surpresa foi a idade da Ana e seus questionamentos. Algumas vezes a achei muito nova para algumas atitudes, mas talvez apenas não tenha convivido com adolescentes nesta idade, para saber como realmente são.

A escrita da Hellen é mais madura, como já citei, mas é muito boa. Já a narrativa ocorre em terceira pessoa, o que nos dar um panorama geral da obra.
Algumas questões levantadas durante o livro são muito importantes e que merecem ser discutidas, como: a alienação da sociedade; como as crianças são criadas e aparentemente possuem um destino marcado pela sociedade; machismo; maldade; pressão do sistema.
"O mundo é... Simplesmente como é: tenebroso com toda futilidade, desinteresse, pseudo fraqueza e maldade. É horrível, verdadeiramente indigno de palavras bonitas e verdades inspiradas, o que é incompatível com seres dignos de respeito"
Algumas cenas me deixaram com raiva e com aquele bolo no estômago, pois mostram o pior do ser humano, o seu lado podre. Uma fala de um personagem me incomodou bastante, pois ele consegue dizer tantos absurdos que é assustador.

"Nós no Subjetivo" é um livro com reflexões. Nele, você vai sair da sua zona de conforto e passear em outro "universo". Um livro profundo, com uma linguagem mais rebuscada, mas que tem seu brilho.
Um livro com críticas sociais. Crítica da sociedade, do governo, do ser humano. Os nós estão sempre no subjetivo, cabe a nós desenrola-los e compreendê-los...

Beijo da Lice

12 comentários

  1. Amei a capa desse livro! As vezes tenho vontade de comprar as coisas só por conta da capa kkkkk ♥

    ResponderExcluir
  2. Oi!
    Eu não conhecia a autira, gostei da capa e a história parece ser otima. Fiquei curiosa e já coloquei na lista de leitura.

    ResponderExcluir
  3. Não tinha visto esse livro ainda, mas já me apaixonei. Vi que traz muitas questões legais e abordadas de um jeito que te prenda... interessante mesmo.. preciso comprar.

    ResponderExcluir
  4. A começar pelo título já podemos ter certeza de que a história nos empurrará para uma montanha de reflexões, nosso subjetivo, quando trabalhado, torna-nos capazes de altos vôos!
    Amei a premissa da história, os temas abordados são cheios de polêmica e merecedores de atenção. Aposto que nos identificaremos com as personagens, sofreremos suas aflições e encerraremos a leitura com desejo de fazer do mundo um lugar melhor para todos nós!
    Ótima sugestão!
    Abraços! 😊

    ResponderExcluir
  5. Que resenha incrível! Amei a história e pretendo pesquisar mais sobre essa autora. <3

    ResponderExcluir
  6. Mais um para a pequena grande lista. Amo livros com essas histórias que nos fazem questionar e enxergar questões pelas quais fugimos. Obgda pela dica.

    ResponderExcluir
  7. A temática espiritualista (crianças indigos e crianças cristais) sempre dão origem a criação de ótimas estórias. Adorei a resenha!

    ResponderExcluir
  8. Gosto muito de livros que trazem reflexões, pois livros assim aprendemos muito, gostei bastante da resenha, a autora Hellen cristina perfeita com a escrita do livro, ótima a sua indicação de livro, bjs.

    ResponderExcluir
  9. Realmente uma ótima indicação de livro que nos leva a reflexão. ótima resenha como sempre!Um bom assunto a ser abordado.

    ResponderExcluir
  10. Obrigada pela indicação do livro, o livro em si já parece legal só de olhar pra capa dele gostei bastante, e livro que nos trás reflexões então,adoro!

    ResponderExcluir
  11. Oi
    Sempre é bom ler um livro que trás reflexões eu gosto muito esse é maravilhoso a capa por si já fala tudo né mesmo obrigada por compartilhar.

    ResponderExcluir
  12. Fiquei curiosa para ler o livro exatamente por ter essa pegada filosofica, mas confesso que também fico com medo pq escrever assim não é uma tarefa fácil e como vc disse a leitura pode se tornar cansativa.

    ResponderExcluir