[Resenha] Destino Traçado - Natalia Moreno

Olá amores, tudo bem?

Fiz Primeiras Impressões desse livro uns dias atrás e hoje venho trazer a Resenha da obra. Espero que gostem!

Destino Traçado 
Autora: Natalia Moreno
Páginas: 248
Editora: Coerência
Onde Comprar: Editora Coerência
Nota: 
*E-book cedido pela Editora
SINOPSE: Quando a vida te entrega tudo o que você sempre pediu, o que fazer com o medo de aceitar?
Valentina seguia sua vida na loja de pipas e pedras preciosas sem muitas novidades até o dia em que um sonho se mistura com a realidade e ela se vê ligada a um homem e a uma criança.
Os olhares do pai e do filho que entram em sua loja revelavam que eles desejavam um grande amor tanto quanto ela, mas Valentina não quer aceitar e o destino terá um trabalho árduo pela frente para convencê-la de que ele foi traçado há muitos anos em uma tribo indígena.
“Com raiva, apertou as varetas na mesa à sua frente até quebrá-las. Quando teria paz? Quando o destino a deixaria ter seu livre arbítrio?”
Será que é possível enganar o destino traçado?
Valentina tem raízes indígenas por parte da sua mãe, Ceci. Seus avós maternos, Iraci e Cauã, apesar de saírem da aldeia, indo para São Sebastião, manteram na filha as suas raízes, passando todo seu ensinamento.
Quando foi levada por seus pais e seus avós na aldeia, ainda pequena, Valentina recebeu o nome Nadi, como seu nome indígena. E todos sabiam que a menina tinha seu destino traçado.

Depois de alguns anos, a jovem acabou perdendo a mãe e o avô em um acidente de carro. Seu pai morreu um ano depois. E sua avó, depois de deixar a loja que tinha para a neta e voltar para a aldeia, também acabou falecendo. Assim, nos seus quase 30 anos, Valentina só possuí a sua amiga, Larissa, já que seu casamento havia fracassado, devido a incompreensão de seu ex-marido.
"Quando encontraria uma mulher que aceitasse seu filho e o fizesse acreditar no amor novamente. Haveria de ter alguém em seu destino"
Do outro lado temos, James, um homem que precisou assumir responsabilidades cedo. Aos 20 anos, acabou engravidando a sua namorada, Priscila. Porém, logo depois de João nascer, Priscila os abandonou, deixando o filho com James. 
O homem, desde então cuida do filho com todo amor responsabilidade.

Quando decide passar um fim de semana diferente com o filho, a fim de fazê-lo esquecer o vídeo game, James parte para o litoral, especificamente para São Sebastião. 
Ao ir comprar uma pipa para João, acaba parando na loja de Valentina. Seus olhares se cruzam rapidamente, e algo ascende nele.
"Acreditava no poder das palavras. Muitas vezes, preferia a ausência delas a soltá-las ao vento. Nunca se sabe o que elas poderiam trazer..."
Valentina, por sua vez, se esconde rapidamente. James é o cara com o qual ela vinha sonhando nos últimos tempos. Inclusive, Larissa, também havia sonhado com os dois.
Com medo do seu destino, Valentina sabe que deve se manter longe? Mas, o que será que o destino guarda para ela?
Este foi um livro diferente de se ler, a começar pelo fato de ter um lado indígena. Mesmo sentindo falta de mais aprofundamento neste fator, creio que a personagem ter essa descendência, faz toda a diferença para o enredo.

James é um personagem forte, que realmente criou seu filho, educou-o, deu amor. Já Valentina, mesmo não podendo alcançar coisas que gostaria, se mantem forte, é de se admirar. 
Porém, a personagem que mais gostei e que na minha opinião, roubou a cena, foi a Larissa. A jovem é uma amiga para todas as horas, daquelas que vai junto, que apoia, que dá conselho e tem um lado meio pirado, uma geminiana louca dos signos. Me identifiquei com ela.
"Assim são as pessoas. Todas aquelas com quem nos envolvemos deixam algo em nós. Bom ou ruim, mas sempre deixam algo"
O livro tem algumas cenas de prender o fôlego e mesmo achando que elas foram colocadas no momento certo da narrativa, para proporcionar uma movimentação na narrativa, creio que as mesmas poderiam ser mais exploradas. Isto vale principalmente para as que envolvem a ex do James, a Priscila.

A narrativa em terceira pessoa engloba a Valentina e o James, assim podemos acompanhar os dois em seu dia a dia tão diferente. Como o primeiro livro que leio da Natalia, gostei da escrita dela, da forma como ela conduz o enredo e se propõe a dar movimentação na narrativa.
Mas, a teimosia de Valentina em seguir o curso que a vida deve ser e o envolvimento rápido dela com James, foram coisas que me incomodaram.
"O destino é um menino arteiro, mas ele também sabe o momento de fazer as coisas darem certo. Tenha paciência"
O destino não é algo que podemos controlar e Valentina sabe muito bem disso. Seu destino está traçado desde que nasceu e saber disto a amedronta, a faz desistir de algumas coisas, que em outras situações, ela jamais deixaria. O destino cobra e não é possível mudá-lo. Apenas jogue-se nele e se deixe levar por seus planos.

Recomendo para quem busca uma leitura fluída e rápida!
Lembrando que até o dia 07 de julho, para todos os livros que você comprar no site da Editora Coerência, irá ganhar um ingresso para um dia na Bienal do Livro em São Paulo:

Beijos da Lice

12 comentários

  1. Muito boa a resenha. Teu texto, assim como cita o da autora, tem fluidez e sem travamentos. Com relação ao livro, legal a parte da descendência indígena e da abordagem do pai solteiro. Gostei!

    ResponderExcluir
  2. Verdade dá muito medo de aceitar um destino já traçado.
    Mas quando o destino é tudo o precisamos naquele momento, vale a pena se arriscar nem que para isso precisamos trabalhar de forma ardua.

    ResponderExcluir
  3. Excelente o texto e o livro parece ser bem interessante, dá vontade de saber o que acontece no final, ou pelo menos vc causou essa vontade com a resenha rs

    ResponderExcluir
  4. Olá Alice tudo bem. .
    Está editora me parece que tem umas novidades excelentes...
    Por exemplo " traçado pelo destino" este eu conferia com certeza...

    www.robsondemorais.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  5. Olá
    Achei interessante uma protagonista indígena, sinto muita falta de personagens assim nos livros brasileiros, acho que dá um toque especial e cultural nas obras. A teimosia e relacionamentos com começo abrupto também tende a me irritar bastante, mas gostei demais da Valentina

    ResponderExcluir
  6. Achei super válida a escolha pela descendência indígena da protagonista, é uma cultura nativa do Brasil que poderia ser mais explorada em outras publicações. Todo esse clima de força do destino que guia a história é muito atraente, me identifico muito. E pelo que parece o destino traçado pra Valentina é muito bonito, o James passa a sensação de ser um cara muito bacana e um paizão ❤

    ResponderExcluir
  7. Uma história tão comum na vida de tantos, não é? Muito boa sua resenha! Mergulhei na história!

    ResponderExcluir
  8. Gostei da resenha e da história também...mesmo com os clichês habituais. No momento não é um livro que eu leria, mas quem sabe no futuro eu possa desfrutar dessa leitura.

    ResponderExcluir
  9. Oi Alice!!
    Nossa, fiquei bastante encantada por essa história. Adorei que a autora trouxe uma personagem com traços indígenas, fora trazer um assunto pouco visto na literatura: um homem abandonado com um filho.
    Não conhecia essa história, mas fiquei bastante interessada.
    Bjs
    https://almde50tons.wordpress.com/

    ResponderExcluir
  10. Excelente resenha. Não conhecia nem essa editora e nem esse livro. Fiquei muito interessadda e quero muito ler.

    ResponderExcluir
  11. Olá!!
    Muito obrigada pelas suas palavras! A Larissa é uma doidinha mesmo haha

    ResponderExcluir
  12. Gostei muito do enredo, achei bem interessante as histórias de vida dos dois protagonistas!

    www.estante450.blogspot.com.br

    ResponderExcluir