[Primeiras Impressões] A Profecia do Fim do Mundo - Sally Mazay

Olá leitores, tudo bem?

Hoje venho trazer as Primeiras Impressões de um livro que está conseguindo prender a minha atenção, por não ter todas as informações jogadas no início da narrativa. Espero conseguir despertar a atenção de vocês também.

A Profecia do Fim do Mundo
A Saga de Kylah, Livro I
Autora: Sally Mazay
Páginas: 340
Editora: Coerência
*Cerca de 20% do livro lido para P.I.
SINOPSE: Quando Kylah, uma garota de 16 anos, conhece Christian Miller – um aluno novo que passa a frequentar a mesma escola em que estuda – sua vida parece tomar proporções inimagináveis. Apesar de sempre ter se sentido deslocada e introvertida, ambos se tornam melhores amigos instantaneamente. Kylah percebe que está se apaixonando pela primeira vez. Contudo, após um romântico encontro o garoto desaparece misteriosamente.
Confusa e intrigada, ela se convence de que apenas não havia significado nada para o rapaz. Quando, inesperadamente, outro garoto surge em sua vida. Ameaçador e hostil, Victor tem um comportamento desconcertante e sedutor que a intriga, apesar de seus receios.
Kylah se vê rapidamente envolvida por este estranho sombrio, mesmo consciente de que algo possivelmente sobrenatural o cerca. Quando de repente é sequestrada pelo que desconfia ser algum tipo de gangue da qual ele poderia fazer parte. Talvez houvesse sido um romance proibido. Mas então, para seu terror, Victor a salva lutando com uma espada curva em mãos e assassinando vários dos raptores. Apenas, para em seguida, ataca-la também.
Numa reviravolta emocionante, Kylah desperta num mundo paralelo. Um planeta onde criaturas mágicas são reais. E descobre que ela mesma não é humana. Uma nova realidade onde seu melhor amigo e seu ex-namorado estão em guerra, em lados opostos do campo de batalha. Um lugar onde há uma profecia de que ela, a garota ordinária da Terra, é na verdade responsável por uma escolha que pode gerar o fim do mundo.
Kylah Hanks é uma garota de 16 anos que sempre teve a sensação de nunca pertencer a um lugar. A garota é consumida por pesadelos desde que se lembra e ultimamente eles parecem resquícios de sua memória, mas ela sabe que é apenas fantasia da sua mente. Kylah também tem uma marca de nascença estranha em seu pescoço.
Faz cerca de 1 ano que ela se mudou para um novo colégio e desde então, a jovem não fez amizade com ninguém, a escola é um grande martírio para ela.

No entanto, tudo muda quando no novo ano, ela acaba conhecendo um novato, Christian Miller. O jovem de olhos azuis e cabelos longos não seria o tipo que seria amigo de Kylah e aquilo lhe perturba inicialmente. Porém, ele parece bem interessado em ficar perto dela. Assim, ambos começam a sentar juntos nas aulas em comuns e frequentar a mesma mesa na hora do almoço.

Kylah finalmente tem uma motivação para ir ao colégio e Chris cada vez mais conquista espaço em seu coração.
Certo dia o garoto a convida para um dia na praia e é um dia perfeito, onde os dois quase se beijam. É como se Christian conhecesse Kylah até melhor do que ela mesma. E ela acaba aquele dia com a certeza de que está apaixonada pelo jovem.

Só que tudo muda quando ela volta ao colégio. Chris não aparece nas aulas ou no intervalo, e quando ela vai procurar saber dele, descobre que ele mudou de escola, sem se despedir ou alguma explicação.
Nesse mesmo dia, aparece no colégio um garoto de olhos pretos e que tem um olhar assassino para Kylah. Ele é o oposto de Chris e também parece saber quem ela é. E mesmo tendo todos os motivos para não gostar dele, ela sente uma atração arrasante. O nome dele é Victor.

Quem Kylah realmente é? O que significa a marca em seu pescoço? Victor e Christian possuem algo que os ligam?
Esse é um daqueles livros que prendem a atenção do leitor desde o seu início e isto se deve principalmente ao fato de não sabermos o que realmente está acontecendo ou quem Kylah seja de verdade.
No prólogo da obra somos apresentados a uma fada que está fugindo com uma criança (provavelmente Kylah), pois o local que a mesma se encontrava estava em guerra e ela precisava salvar a criança. O por quê? Não faço a menor ideia.

Achei bem bacana o fato da autora não revelar toda a história no início, pois iremos acabar descobrindo isto no decorrer da obra e neste momento já montei várias teorias, espero pelo menos chegar perto em alguma.

Então, creio que Kylah seja a princesa de algum lugar, com poderes guardados e que ela possa ser aquela que vá destruir o mal. Chris para mim é o que veio para protegê-la, mas acredito que o Victor tenha feito algo com ele (até matado-o). São apenas suposições, mas que na minha mente de leitora, fazem todo sentido haha.
"O engraçado é que sou péssima em qualquer atividade física, mas quando estou na água, de repente não sou mais tão desastrada"
Kylah cada vez tem mais sonhos e desses sonhos o leitor pode fisgar algumas coisas, já que eles são uma espécie de "visão", seja com ela mesma ainda criança ou de outras pessoas.
Esse início da obra ambientando a vida dela, faz o leitor conhecê-la profundamente e isto é bacana, pois criamos empatia. Assim como permite conhecer os demais personagens.
O Victor é um personagem que já não gosto e isto porque ele acabou de aparecer. Já o Chris é um fofo, tive uma quedinha por ele.

A escrita da Sally está sendo deliciosa, visto que conseguiu cumprir com  o propósito de me deixar curiosa e imaginando mil possíveis acontecimentos.
Estou com altas expectativas para a sequência da narrativa e em breve trago a resenha dele aqui para vocês.

A autora estará na Bienal para o lançamento do seu livro no dia 08 de agosto às 18hrs. Então, quem for na Bienal é só passar no estande da Editora Coerência (N058) para conferir.


Sobre a Autora: Viciada em romances, Sally Mazay se viu inspirada a escrever quando conheceu em seu marido um Grande Amor. Mergulhando num mundo sobrenatural que criou desde a infância em sua mente, quando dizia que não pertencia a esse mundo e que era uma fada. Adora música, arte e animais. E tem um filho felino que ama de paixão.
Beijos da Lice 

9 comentários

  1. Acho muito interessante livros que trabalham sobre a curiosidade dos leitores. Pelo o que eu entendi, a autora coloca um pouco dela nas obras, quero dizer ela tem uma certa parcialidade. Achei teu texto bom, ele descreve bem a narrativa e trás uma introdução que desperta o leitor. Não conhecia a autora, mas gostei da temática que ela explora. Vou pesquisar sobre. Abraços!

    ResponderExcluir
  2. Oi
    Não conhecia o livro nem a saga, apesar de eu não gostar muito do genero, gostei muito do contexto do livro parece otimo fiquei bem curiosa.
    Tambem gosto de livros que não contam tudo no começo e sim deixam para o final, parece maravilhosos amei a indicação e a sua primeira impresão

    beijos

    ResponderExcluir
  3. Não conhecia esse livro, mas a premissa dele me atraiu muito e fiquei muito curioso para conhecê-lo mais afundo. já o incluí na minha lista de desejados.

    Gustavo
    http://www.leituraenigmatica.com

    ResponderExcluir
  4. Eu ja tinha ouvido falar deste livro só que não tinha visto a resenha, que maravilha vai ser ler ele, eu ja estou ansiosa!

    ResponderExcluir
  5. Ou Alice tudo bem?
    O livro é uma novidade e creio que seja uma otima leitura mesmo porque pelo nome ja desperta a atenção..
    Obrigado pela dica.
    www.robsondemorais.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  6. Que incrível! Adoro livros assim, principalmente se ele conseguir passar a sensação :"Imagina se fosse comigo" Adorei!

    ResponderExcluir
  7. Oi tudo bem ?

    Nossa não conhecia o livro, mas a sinopse e capa me chamaram bastante atenção, o enredo parece bem atrativo e seu ponto de vista reforça o quanto o livro é uma boa dica de leitura.

    ResponderExcluir
  8. Olá!
    não conhecia esse livro, e possui uma enredo bem curioso, lendo a resenha me lembrei de uma série que li na minha na adolescência e fiquei vidrada. Gostei de conhecer e anotei a dica aqui. Que bom que autora estará na Bienal, para quem aprecia o trabalho é sempre bom ir prestigiar. ótima resenha, e sucesso a autora!

    beijos!

    ResponderExcluir
  9. Oi, Alice.

    Trabalhar com a imaginação do leitor é bem válido. Afinal, entregar os acontecimentos assim de cara pode mesmo esfriar a história. Esse mistério do “quem é ela” é interessante. Eu não me identifiquei com a história, mas tem esse ponto positivo é ué você citou.

    Abraço,
    Diego| www.vidaeletras.com.br

    ResponderExcluir