[Resenha] Ventos Nômades - Manuela Marques Tchoe

Hey navegantes, tudo bem?

Faz tempo que não resenho um livro de contos aqui no blog e hoje resolvi trazer um livro deste gênero que me encantou.

Ventos Nômades
Autora: Manuela Marques Tchoe
Páginas: 102
Editora: PenDragon
Onde Comprar: Amazon / PenDragon
Nota: 💙💙💙💙
*Livro cedido pela autora
SINOPSE:Quantas vezes numa viagem nos permitimos ver a vida com outros olhos?
Em Ventos Nômades você encontrará dez contos que cruzam continentes, exploram o choque de culturas e novos horizontes além das fronteiras tupiniquins.
Você largará tudo em busca do sentido da vida com Guilherme até chegar ao mais antigo templo do sudeste asiático. Com uma americana à beira da morte, receberá um sopro de vida na ilha grega de Creta. E se embrenhará junto com dois amigos nos segredos judaicos de Praga.
Ventos Nômades é um convite a viajar pelo mundo.
"Ventos Nômades" é uma coletânea que reúne 10 contos que exploram os mais diversos locais do continente, apresentando ao leitor as mais diversas culturas, explanando o choque delas e suas diferenças.

Para contextualizar o leitor, trarei um pequeno resumo dos 5 contos que mais gostei, mas sem spoilers, é óbvio. Porém, essa escolha não quer dizer que os demais contos não sejam tão bons quanto.

Milages na Praça do Rei
Este conto nos apresenta um baiano que teve a oportunidade de ir estudar em Munique e acabou deixando o calor do Brasil para trás. Logo no início, ele teve dificuldades de se adaptar ao local e a saudade era grande. Porém, algo o fez mudar de opinião...
"Se antes meu coração mais parecia uma caatinga, seco e sem vida, veio uma chuva intempestiva trazendo esperança, vida nova para a aridez que meu peito carregava"
Tempestade de Areia
Roberta e Farid Ahmad viveram um relacionamento no passado. Ela brasileira, ele egípcio. Porém, o relacionamento não foi para frente, as diferenças culturais foram os maiores empecilhos. A família dele desejava que casasse com alguém de sua religião. Anos depois, os dois se encontram em uma conferência de tecnologia em Barcelona. Como será esse reencontro?

Quando me deixei levar pelo abraço do mar
Uma mulher estava à beira da morte, os médicos haviam lhe dado no máximo 3 meses de vida e assim ela decidiu que precisava viajar com o marido e as filhas. Bem sucedidos em São Francisco, dedicavam suas vidas ao trabalho e esqueciam de vivenciar momentos com suas filhas, Taylor e Stacey, de 7 e 5 anos, respectivamente. A viagem era para as meninas não lembrarem dela em seu pior momento, mas guardarem lembranças boas. O último destino era Creta na Grécia e o tempo estava correndo, ela precisava aproveitar os segundos restantes.
"Me perguntei se a fé deveria ser assim, uma gaiola dourada que nos impede de viver"
O vermelho de todas as coisas
Nishi deixou um pedido especial para suas filhas para ser realizado depois da sua morte, ela queria que suas cinzas fossem jogadas na Índia, seu país natal que tinha deixado para trás quando foi para a Inglaterra.
As três filhas, Shakti, Madhuri e Laksha não eram unidas, sempre tiveram suas próprias divergências, mas esse pedido mudaria tudo. Assim, as jovens partiram para Índia.

Olho no olho, polvo com repolho
Uma alemã apaixonada por um coreano, mas para o relacionamento andar, precisam da aprovação da família do mesmo. Imka precisava conquistar os corações tradicionais dos pais de Jeong-Won. Será que ela conseguirá?

Os demais contos são intitulados de: A dançarina de pedra, Meia-noite na fronteira, À sombra da cerejeira, O anel de Salomão e Milagres na terra dos Orixás.
Este é o típico livro que lemos em apenas algumas horas e que iremos amar o seu conteúdo. Cada conto tem um começo, um meio e fim, não ficando nenhum ponto em branco ou sem contextualização.

A Manuela sabe envolver o leitor em suas palavras, e ela tratar das mais diferentes culturas nos contos é o ponto alto do livro. A sensação é que estamos fazendo uma viagem ao mundo sem ao menos sair do lugar. Conhecer alguns detalhes de outras culturas, ou como as pessoas se sentem em um país diferente é muito gratificante, renovador.
"Necessitava de liberdade, de libertação... Morrer numa cama de hospital era inimaginável"
Um tema que achei importante ela abordar é como alguns pais deixam de aproveitar os momentos com seus filhos por estarem tão dedicados ao seu trabalho. É preciso conciliar na dose certa a vida pessoal com a profissional.
Outra coisa que adorei é como as famílias e a cultura podem ser fatores determinantes em algumas relações, findando-as ou fortalecendo-as. 

Os contos possuem narração em primeira ou terceira pessoa, dependendo do seu conteúdo, o que gostei bastante, pois alguns precisavam ser trabalhados de forma diferente.
A escrita da Manuela foi uma delícia, a escritora escreve dos assuntos como alguém que tem propriedade, talvez já tenha visto de perto algumas das situações.
"Como perdíamos tempo com tanta bobagem, com tanta picuinha, sem entendermos que todos nós estamos com os dias contados"
"Ventos Nômades" está com uma edição simplesmente maravilhosa. Os detalhes da diagramação são perfeitos e ornam perfeitamente com o conteúdo e com o tema de viagens. A Editora PenDragon fez um trabalho lindo que merece ser reconhecido.
A capa também está linda, os detalhes e escolha de cores são perfeitos.

As relações são o grande elo da humanidade, independente do grau das mesmas. Viajar permite que as pessoas não conheçam apenas novos locais, mas que embarquem naquele ambiente de cabeça, quando se permitem. E quando isto acontece, criar relações é inevitável, é quase como uma "obrigação", o curso natural das coisas.

Super recomendo a obra!

Beijos da Lice

10 comentários

  1. achei super interessante a edição. Adoro livro de contos... Normalmente são leituras rápidas e agradáveis, quando não são também, deveras, surpreendentes.

    ResponderExcluir
  2. Antes de mais nada tenho que dizer que a capa está apaixonante, uma lindeza ❤ O formato contos é muito interessante porque permite conhecer várias histórias em um só livro. Gostei da proposta de percorrer diversos locais, é uma forma de nos conectar com culturas diferentes da nossa. Gostei em especial da sinopse de Quando me deixei levar pelo abraço do mar.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. A capa está um arraso, assim como toda a edição. Vale muito a pena!

      Excluir
  3. que livro massa! fiquei louca pra ler, amo contos então sou suspeita
    vou colocar na lista de desejados, porque fiquei com muita vontade

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Espero que possa ler em breve, pois é muito bom!

      Excluir
  4. Oi Alice!!
    Primeiramente, que livro lindo. Fiquei apaixonada por essa capa. Eu nunca tinha visto, mas fiquei encantada.
    Eu gosto de livros de contos, mas sempre fico sofrendo quando acabam porque quero mais histórias.
    De todos que você citou achei o Tempestade de Areia bem interessante e fiquei curiosa pra saber se o relacionamento deles foi pra frente!!
    Bjs
    https://almde50tons.wordpress.com/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Eu também sofro com os contos, pois sempre desejo mais deles. No entanto, os contos desse livro estão bem amarrados, vale muito a pena.

      Excluir
  5. Oi Alice ;)
    Esse livro não é do tipo que faz meu estilo, mas eu fiquei apaixonada pela capa e pelo título.
    Apesar de não ser meu estilo, gostei dos temas que a autora aborda nos contos...essa questão de pais que se dedicam inteiramente à vida profissional sem dar uma especial atenção aos seus filhos sempre me deixam triste...é um tempo que não volta mais, né? :/
    Parabéns pela resenha e pelas fotos!!

    Grande beijo,
    https://almde50tons.wordpress.com/

    ResponderExcluir
  6. Olá
    Deve ser um livro bem mágico, amo contos e relatos de viagem e aqui temos os dois.
    Gente que capa mais linda, estou babando até agora.

    ResponderExcluir