[Resenha] Nunca olhe para dentro - Amanda Ágatha Costa

Olá amores, tudo bem?

A resenha de hoje é de um livro lindo, que me emocionou, me arrancou lágrimas e me fez ficar toda vermelha. Um livro que todos devem ler!

Nunca olhe para dentro
Autora: Amanda Ágatha Costa
Páginas: 610
Onde Comprar: Amazon 
Nota: 💙💙💙💙💙
*E-book cedido pela autora
SINOPSE: Nem sempre a vida é colorida como um quadro ou suave como uma pincelada, às vezes é o contrário de tudo isso. Depois de perder os pais em um acidente de carro aos oito anos, a única coisa que Betina precisa fazer é encontrar o responsável por ter destruído sua família na noite que daria início à sua próspera carreira como pintora. Agora, longe dos pincéis e das paletas, ela está focada em terminar a primeira graduação e procurar na justiça um pouco de consolo para o caos que o seu passado ainda traz. Ao lado de seus amigos e sob o teto de uma tia que a detesta, ela perceberá de que cores as pessoas são feitas, e do quanto é realmente necessário olhar para dentro de tudo aquilo que a assombra, mesmo que para isso precise passar por uma inesperada decepção.
Betina desde criança se mostrava talentosa, ela produzia lindas telas. Pintar era a luz da sua vida, a sua motivação. Ela amava as cores e tudo que refletisse vida. Cada emoção que sentia era associada diretamente com cores e seus pais a apoiavam completamente.
Aos 8 anos ela fez a sua primeira exposição, que foi um sucesso. Ela já era conhecida como a menina prodígio de Ostala, sua cidade natal. 

Quando estava voltando dessa exposição com seus pais, eles sofreram um acidente. Para desviar de um carro que bateria de frente, o pai dela virou para o acostamento e acabou caindo em um lago, o mais frio e negro da região. 
Betina ficou boiando no lago por 20 minutos e surpreendentemente saiu viva. Já seus pais não tiveram o mesmo destino, seus corpos nunca foram encontrados.

Agora, 12 anos depois, Betina cursa psicologia e abandonou a pintura depois da fatalidade. Depois da morte dos pais, ela foi enviada para morar com a única parente viva, sua tia materna. No entanto, a tia nunca deu carinho a garota, que cresceu em um lar conturbado, sofrendo. A tia a trata como um objeto, deixando ela reclusa de tudo, inclusive cometendo violência doméstica. Betina nunca mais teve um lar de amor.
"Alguns pensam através de situações, eu penso através de cores"
A mãe de Betina, quando estava viva a presenteou, com um caixa, na qual estava entalhado: "Olhe para dentro". O objetivo de sua mãe, era que a jovem sempre olhasse para as coisas que lhe aconteceram. Com o acidente e sua vida nada fácil, Betina entalhou na frente da frase um "Nunca", pois ela não deseja relembrar suas memórias. Ela não quer ver o passado, ela foge da caixa e de suas lembranças.

Ela tem um único desejo em sua vida: descobrir quem foi o responsável pelo acidente, ela quer de certa forma, a justiça, um pouco de acalento para seu coração.
Toda sexta-feira, um dia que era sagrado para a sua família, Betina vai ao lago do acidente jogar 3 narcisos amarelos, que eram os preferidos de sua mãe. A flor representa seus pais e ela mesma, pois do acidente, foi como se ela também tivesse ido embora.

Betina tem dois amigos que são inseparáveis dela: Paola e Caio. Ambos estudam psicologia com ela. Paola é toda extrovertida e tenta colocar a amiga para cima, fazê-la sair da prisão da tia e ir viver seu próprio mundo, ser independente. Ela acompanha a amiga toda sexta a visita ao lago.
Já Caio não tem papas na língua e conheceu-a bem depois de Paola. Ele também é divertido e alegre, sendo bem determinado quanto as suas escolhas.
"Merdas realmente acontecem todos os dias. O importante é lembrar que no meio de merdas e dificuldades, algumas dádivas aparecem diante de nossos olhos"
Quando os três começam o estágio, um dos últimos passos para concluírem o curso, Betina tem uma surpresa. Ela conhece Nicolas, um médico bonitão, que tem o dom de despir todas as mulheres ao seu redor com apenas um olhar, segundo a própria Betina.

Nicolas vai entrar na vida de Betina de repente, mesmo ela não desejando isso ou sequer dando brecha para um envolvimento romântico em um primeiro instante. 
Com as agressões da tia, ela vai ter que se mostrar forte e ter pessoas especiais ao lado dela, a manterão em pé.

Será que Betina finalmente vai conseguir sair das garras da tia? Betina conseguirá voltar a pintar? Ela descobrirá quem estava dirigindo o outro carro no dia do acidente? Como ela irá lidar com Nicolas?
"Ninguém é perfeito. Não há só uma pessoa que não erre pelo menos uma vez por semana. O que diferencia nossos erros e acertos, é a responsabilidade que tomamos pelas nossas falhas. A decência de admitir a incapacidade de ter acertado, nos dá o maior dos créditos, o caráter"
Não se assustem com a quantidade de páginas do livro, garanto que a leitura é tão maravilhosa que você nem a sente passando, você fica sentindo falta quando acaba, querendo mais.

Betina é uma personagem que vai despertar os mais diversos sentimentos no leitor. Muitas vezes você só quer abraça-la e dizer que vai ficar tudo bem. Outras vezes você quer dar uma chocalhada nela, para ela acordar para a vida e se livrar da sua tia.
Ela é uma pessoa que sofreu muito na vida, tanto perdas físicas, como as suas próprias perdas internas.
"Algumas pessoas parecem se encaixar sem precisar de muito esforço. Tem gente que se conecta como se fosse pra ser daquele jeito desde o começo"
Nicolas é um amor. Não tem palavra para defini-lo melhor. Ele é dedicado ao seu trabalho, fazendo o que gosta com seu coração. Ele é responsável, sabe discernir o certo do errado, é carinhoso, preocupado e ainda compõe músicas. Sério, cadê o meu Nicolas? Quero um para mim, para me dar tanto amor quanto ele.

Paola é espetacular. Divertida, meio louca e uma amiga para todas as horas. Ela sempre esteve ao lado de Betina desde criança e não deixou nada afastá-las. Ela também não tem uma história fácil. Sua mãe é uma viciada e por isso, está internada, Paola nunca teve carinho, assim como Betina. Ela não se deixa abater quando deveria, ela é forte.
"Uma amizade verdadeira é um elo sólido que sobrevive às mais fortes corrosões. Não quebra, não pode ser destruído. Apenas é fortalecido com o tempo"
Caio também é um super amigo. Alegre, cheio de vida, ele é bem decidido quanto a sua sexualidade, sendo assumido e aceitado por sua mãe. Ele vem de um lar com aceitação e amor, e isto reflete bem na personalidade dele. Apesar de certas vezes soar "aéreo", Caio percebe o que acontece a sua volta e tenta amenizar o ruim com a sua alegria.

Cecília, a tia de Betina, não merece nada menos do que desprezo. Ela sempre teve "raiva" da sua sobrinha e pelas suas atitudes, é perceptível, que por ela, Betina poderia estar morta. Uma mulher sem coração, uma mulher totalmente preta, por dentro.
O que falar desse livro? Que eu amei? Que eu embarquei com minha alma nele? Que ele é importante para todos? Que deve ser uma leitura obrigatória?
Sim, eu poderia dizer todas essas coisas, mas apenas preciso dizer que me senti de todas as cores enquanto lia a obra. Isso é suficiente para explicar como me senti.

Calma leitor, já vou explicar o que significa "me senti de todas as cores". Como falei no início do livro, a Betina define seus sentimentos através de cores, e é desta forma que ela percebe as pessoas a sua volta. Para facilitar, vou dar alguns exemplos das cores e seus significados:
Amarelo = Iluminado, entusiasmado
Roxo = Sábio, intuitivo
Marrom =  Tradicional, sólido
Preto = Vazio 

Apesar dos pais de Betina terem morrido cedo, a forma como a jovem fala deles, passa o amor que eles sentiam e como o seu seio familiar era repleto de cores e sentimentos bons. Os pais a chamavam de "amarelinha" e vocês já devem ter percebido o quanto isto é apropriado. A Betina é iluminada, ela brilha, transcende.
"Eu me sinto de todas as cores quando estou perto de você , e não há nada que possa mudar a minha forma de te olhar"
A Amanda foi certeira ao trazer alguns assuntos importantes para o livro. A violência doméstica não é praticada apenas entre um casal, essa violência está "escondida" em vários níveis, e relatar essa violência de tia e sobrinha, é muito importante. Os casos de violência doméstica são grandes, mas uma parcela das pessoas que a sofrem ainda possuem receio de denunciar o agressor. Esse receio/medo também era sentido pela Betina, que sempre postergava o momento de denunciar Cecília, e as ameaças são o grande motivo deste adiamento. 

A escrita da Amanda foi uma delícia. Ainda não havia lido uma obra da autora e me surpreendi bastante com tudo que vi. Ela escreve de forma leve, mesmo quando o assunto é pesado. Ela sabe conduzir a obra e nos fazer sentir, coisa fundamental que um autor deve fazer.

O relacionamento de Betina com Nicolas fica em segundo plano no livro. É claro que a obra possui cenas dos dois, fofíssimas até, mas o foco aqui é ver como a Betina tem marcas. Ela tem traumas que não ficam restritos apenas a morte de seus pais, eles vão para o ambiente em que vive, como se estivesse presa, enclausurada. 
Paola, Caio e Nicolas também possuem os seus próprios problemas e suas barreiras para transpassar, e a autora também trouxe isso para a cena.
"Assim como as suas cores, Betina, as memórias boas e ruins formam quem você é"
O livro não tem foco apenas na Betina, mas em todos que estão a sua volta e que também sofrem. Creio que haja uma bela representação da vida. Onde todos possuem seus problemas, independentemente da intensidade e do tamanho do mesmo. Todos temos marcas, e cada um vai interferir de maneira distinta em nossas vidas.

O final não poderia ser melhor. Acho que tudo se encaixou e de certa forma tornou tudo que a Betina viveu mais intenso e mais trágico. Ela realmente não teve uma vida fácil e está longe de ter uma vida feliz.
"Eu olho para dentro. Olho de novo. E aceito"
A vida é feita de cores e cada uma tem um papel importante em nosso dia a dia. A cada momento, estamos de uma cor. Betina ultimamente tinha perdido suas cores, estava perto de onde mais detestava, o "preto". Ela vivia de uma forma que não gostava, que não lhe representava. Ela vai passar por situações difíceis, mas com pessoas coloridas a sua volta, ela vai superar.
Betina vai aprender que às vezes precisamos arriscar, precisamos nos libertar e principalmente, precisamos viver. Vai ganhar o mundo e seja amarelinha, sempre... E aprenda a olhar sempre para dentro, de você, das pessoas, do mundo!

EU VERMELHO ESTE LIVRO!!!

Beijos da Lice

14 comentários

  1. Que história linda. Será que os pais delas estão vivos? Fiquei pensando que como não acharam os corpos.. (eu vejo muita série, dai toda vez que não tem corpo eu penso isso hahaha). Só de ler a tua resenha eu fiquei feliz. O livro parece ter uma super linda. Espero que eu consiga por as minhas mãos nele. Tu sabe se tem a versão física? No skoob não tem nenhum link pra vender, e eu não tenho Kindle.

    ResponderExcluir
  2. Que livro maravilhoso é esse hein rsrs.
    Me apaixonei pela história em si.
    A capa tbm é linda.
    https://blogdajenny2014.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  3. Realmente o livro tem uma história que deixa a gente emocionada, gostei muito da personagem da Betina e da história, essa é uma história de superação, amor, amizade, a história me agradou muito, bjs.

    ResponderExcluir
  4. Gostei do livro a história dele parece ser muito legal, com certeza vou colocar na minha lista de leitura.

    ResponderExcluir
  5. Achei interessante a ligação das cores com os sentimentos dos personagens, ainda não tinha visto esse tipo de abordagem. Me emocionei com a história da Betina, que vida sofrida ela teve! Fiquei imaginando que seus pais possam estar vivos...será?

    ResponderExcluir
  6. Que bacana, gostei muito da resenha! Não conhecia a obra, mas fiquei com bastante interesse em conhecer após ler esse texto. Abraços e parabéns pelo post!

    ResponderExcluir
  7. Olá, tudo bem? Ahhh, eu li esse livro, até hoje arrepio quando lembro, hahaha. É uma história linda demais, todos deveriam ler. Ótima resenha!

    ResponderExcluir
  8. Oi!!
    Eu adorei a resenha, a história é maravilhosa. Já coloquei na lista de leitura ☺
    Bjo

    ResponderExcluir
  9. Vi a minha história neste livro, perdi meu pai em um acidente de carro há 16 anos e me vi na Betina, de verdade. Parabéns pelo post, bjs.

    ResponderExcluir
  10. Esse livro parece ser bem profundo, do jeito que eu gosto, podendo tem alguns momentos para refletir e se sentir por dentro da história, gostei, e parabéns pelo post!

    ResponderExcluir
  11. Ótima história. Como são os acontecimentos e imprevistos da vida. Uma história a se analisar. Ótimo post. Bjss

    ResponderExcluir
  12. Esse livro parece ser bem bacana, a historia da Betina deixa a gente bem emocionada.
    Amei como ela fala sobre o amor a família que faltou cedo, como ela se expressa com as cores.
    Enfim achei uma historia bem tramada e fiquei louca para saber um pouco mais, quero ler esse livro.
    Bjinhos,
    www.prosaamiga.com.br

    ResponderExcluir
  13. Oi Alice, tudo bem? O que elogio primeiro? A indicação, sua resenha, ou a mensagem do livro ser tão bonita? Achei o máximo a questão das cores e vou ser sincera nunca parei pra pensar de que cor estamos no dia a dia. Mas acredito que algumas ficam no amarelo -sempre entusiasmadas, enquanto outras ficam próximo ao preto. Mas é um misto de cores como um arco-íris. Amei sua resenha. Beijos, Érika =^.^=

    ResponderExcluir
  14. Oi
    que resenha perfeita parabéns,gostei muito de conhecer o livro,que história muito interessante maravilhosa,quero saber mais é mais sobre essa obra.

    ResponderExcluir