Olá meus amores, tudo bem com vocês?

"Tudo tem um porquê" é um livro diferente de todos que já tive o prazer de ler, começando pelo fato de ser um Romance Espírita. O livro foi escrito pelo Marcelo Cezar, mas ditado pelo espírito Marco Aurélio. E diferente do que a maioria das pessoas pensam (inclusive eu pensava), não tem nada de sobrenatural na escrita. Em momento algum o autor tenta interferir na religião de alguém e o livro fala de todas as doutrinas de forma respeitosa, inclusive aceitando as diferenças e respeitando-as.
É o meu primeiro contato com o gênero e o que tenho para falar? Fiquei simplesmente encantada, para minha surpresa todo o receio que eu tinha em relação ao gênero sumiu, restando-me o deleite de um livro maravilhoso.
Vamos lá, conhecer a história e entender um pouquinho mais sobre o mundo que habitamos...

Livro: Tudo Tem Um Porquê
Autor: Marcelo Cezar, pelo espírito Marco Aurélio
Páginas: 416
Gênero: Romance Espírita
Editora: Vida & Consciência
Nota: 💙💙💙💙💙

"Quando o amor está em jogo, não existe machucado algum, porque o amor não fere. O amor cura, liberta, faz bem, jamais causa mal"


Em "Tudo tem um porquê" conhecemos várias histórias que durante a trama se cruzam e descobrem relações fortes com outras vidas, outras encarnações...

Primeiramente, conhecemos a Berenice e sua família. Berenice é uma jovem de 25 anos, mas que tornou-se um tanto quanto reclusa em relação a vida. Ela é casada com o Durval, mas o casamento decaiu depois que ela viu-se obrigada a extrair o útero, por causa de uma doença. Berenice acreditava que o fato de não poder dar filhos ao marido era um martírio que teria que levar pelo resto da vida e devido a isto esqueceu-se de viver sua vida de mulher e passou a ser "só" uma dona de casa. Ela e Durval estavam à 1 ano sem relações sexuais e as brigas dentro do lar só aumentavam... 
Berenice frequentava um centro espírita, no entanto, os conselhos que recebia da Ondina, uma voluntária do centro, não eram os melhores. Ondina repetia para Berenice que ela não deveria se separar, que caso isto ocorresse, as almas de ambos voltariam a se encontrar em próximas vidas para acertarem esta relação.
Em uma noite, depois de sua espivitada vizinha Inês lhe provocar, Berenice sai em rumo ao bar em que Durval se encontrava. Brigam no meio de todos e ao ir embora, Berenice cai, bate a cabeça e morre. Calma, isso não é spoiler, é apenas o começo...

Continuando no núcleo de Berenice, temos a sua irmã Toninha. Uma mulata totalmente diferente da irmã. Toninha é determinada, batalhadora e sonha em fazer uma faculdade e viajar pelo mundo. Na noite da morte da irmã ela tinha saido com suas amigas Esmeralda e Vera. Foi uma noite mágica para ela, visto que conheceu um rapaz que mecheu com o seu coração.
Toninha trabalha na boutique de Elisa Brandão, uma socialite de família tradicional.

Elisa Brandão é uma mulher sem medidas, incapaz de aceitar um não e capaz de fazer tudo para ter o que deseja. Ela é casada com Humberto, mas a relação deles não passa de uma faxada, nunca houve amor. Os dois são pais de Guilherme e Gustavo. Os filhos são a única coisa que prende Humberto a Elisa. Por isso, a megera acaba com qualquer relacionamento dos filhos, pois sabe que assim que eles saírem de casa, o marido também se vai. Um passado em Paris, envolvendo ela, Humberto e Renato guarda segredos perigosos.
Elisa usa a boutique como uma forma de lavar dinheiro, sua família é envolvida com todos os tipos de pessoas, e Elisa faz  uso de todos os serviços obscuros dos conhecidos da família.
Ela não se dá bem com o filho mais velho, Guilherme. Ela praticamente odeia-o, nunca nutriu sentimento de afeição alguma por ele.

"O amor que prende, que sufoca, que pune, que maltrata, que mata, é qualquer coisa que queira chamar, menos amor"


Gustavo, filho de Danusa e Humberto, foi concedido através de inseminação artificial. Um homem de bem com a vida, que sempre teve uma relação cordial com a mãe, tentando aplacar as discussões entre ela e seu irmão. Durante a trama irá se apaixonar por Toninha, um amor que irá superar os piores males: o preconceito e o tempo.

Já Guilherme não consegue entender como a relação com a sua mãe pode ser tão ruim. Recentemente teve um grande abalo emocional, foi abandonado por Paula, sua namorada. Uma mulher que surgiu na sua vida como um furacão e depois foi embora da mesma forma que surgiu, inesperadamente. Guilherme tem a figura materna espelhada na sua dinda, Danusa. A relação dos dois é maravilhosa e pode ser explicada pelo passado.

Danusa é casada com Conrado, primo de Humberto. Eles foram criados como irmãos e são sócios de uma empresa. Danusa nunca se bicou com Elisa, elas não se suportam. 
Danusa é uma mulher espirituosa, que sempre buscou conhecer todas as religiões e se identifica com o espiritismo, acreditando em vidas passadas. Por muitos pode ser considerada uma "doidinha" pelo seu jeito espontâneo de levar a vida e criar sua filha, Manuela.

Manuela é uma garota extremamente indecisa. Não tem confiança alguma em si mesma e nas suas ações. Namora o Luciano, um parceiro do seu pai e do seu tio. Mas o relacionamento de ambos nunca teve amor, apenas um gostar.

Paula é uma mulher interesseira, quer ter uma vida com regalias e para isso caça um bom partido. Uma mulher de parar o trânsito, viu em suas mãos uma oportunidade única quando descobriu segredos do passado de Elisa e usou isto para se aproximar do seu filho, Guilherme. Mas, quando percebeu que João Carlos (amigo de Guilherme e um gênio) pode lhe dar um futuro melhor, não pensa duas vezes em trocar o atual namorado.

"A morte não é o fim. O corpo morre, mas o espírito é eterno"


O espírito de Berenice volta para ajudar Ondina a se reencontrar e ao mesmo tempo ela mesmo se encontra, podendo entender melhor as suas vidas passadas e os erros que cometeu. A amiga de Toninha, Esmeralda, também é sensitiva e mostra um pouco desse lado em suas cenas.
Já Elisa, por todo mal que carrega em sua alma, tem sempre espíritos ruins rondando-lhe, provocando-lhe pensamentos e ações negativas.
Como é perceptível, a trama se entrelaça entre os núcleos. Temos segredos do passado que aos poucos vão sendo revelados, temos jovens determinados e focados, temos uma luta do "mal x bem", temos pessoas vivendo da forma que acham corretas.

O livro mescla romance, suspense e aventura. O mistério que envolve o passado de Elisa prende o leitor, que cria em sua mente várias versões do que pode ter ocorrido.
"Tudo te um porquê" te faz refletir sobre aquele velho ditado "se você pensa coisas ruins, atrai coisas ruins", e esses "ruins" são espíritos perdidos, que não aceitam ter morrido e querem fazer o mal aos que ficaram na terra.
A morte é tratada como uma dádiva. O espírito depois da morte desprende-se do corpo e passa por um período de cura, de se desfazer de todos os sentimentos vividos, para só depois então, começar a viver no novo plano.
Eu, particularmente, sempre acreditei em vida após a morte. Não sou espírita, mas acredito em reencarnação e em espíritos bons e ruins que nos rodeiam. O livro me ajudou a entender um pouquinho a mais sobre todos os mistérios que envolvem a vida e a morte...

A história é fascinante, todo enredo tem uma grande carga emocional que o leitor consegue absorver os sentimentos junto com cada personagem. No final da leitura o leitor sente-se leve e as lágrimas vem como um banho para lavar a sua alma, tirar toda carga emocional acumulada.
Quando um livro é bem escrito, não há como não se apaixonar e não anseiar por mais... Eu me vi prendida, eu absorvi tudo que li!
Em "Tudo tem um porquê" você aprende que cada ação, cada palavra, cada pessoa tem uma razão para acontecer, para entrar em sua vida. Você pode não acreditar, não gostar, mas tudo é regido por algo maior, que eu chamo de Deus. A morte é apenas o recomeço, uma oportunidade para concertar erros e quem sabe corrigi-los em uma próxima vida... E o amor é o combustível mais lindo que uma pessoa possa doar a outra!

Obrigada a Editora Vida & Consciência por me permitir abrir meus horizontes e descobrir novos gostos!!

Links para compra do livro:
Saraiva
Amazon
Submarino
Vida & Consciência




Beijinhos da Lice


Hello leitores, tudo bem com vocês?

Hoje trago para vocês a resenha do livro "Maria do Sol" da Alice Raposo! Foi uma leitura leve, ótima pra te curar de uma ressaca e mesmo assim te alertar sobre problemas importantes.

Livro: Maria do Sol
Autora: Alice Raposo
Páginas: 128
Editora: Fundação Quixote
Ano de Publicação: 2016
Nota: 💙💙💙💙

"O Passado é um abismo que se abre e não temos como voltar"


SINOPSE: Todo livro tem sua história, algo que foi o propulsor para sua criação. Maria do Sol surgiu de uma madrugada que trouxe um sonho. Durante o dia se materializou em um conto. Dois anos após, voltei-me para ela e a concluí.
Pedrinho e Maria do Sol irão nos levar por um caminho sem volta. É claro! Pois todo percurso que se segue não há como retroceder em suas consequências. Por isso, agir sem pensar não é um meio a se seguir. Seremos morada das consequências de nossos atos.
Portanto, é tão importante analisar cada passo que será dado, não matematicamente como num jogo, pois a existência se tornaria fria e sem vida, mas com verdade, diálogo e sinceridade no agir.

Pedrinho é uma criança quieta, reclusa, sem amigos. Foi criado basicamente por sua babá Milena. Seus pais Vicentinho e Sofia eram contadores que viviam com a cabeça e o tempo voltados para o trabalho, o carinho e amor pelo filho sempre ficaram para segundo plano.
Vicentinho era filho de Dona Carlota e seu Felinto. Felinto sempre foi homem trabalhador, que passou a vida juntando dinheiro para educar bem o filho, no entanto, preocupava-se em dar atenção a Vicentinho. Depois de aposentado, seu Felinto e Dona Carlota sairam da cidade e foram viver no campo, queriam paz e sossego.

"A vida não é só ambição, se você focar só no conquistar mais dinheiro, vai chegar um momento em que você vai olhar para o passado e vai observar que a única coisa que você fez foi acumular dinheiro e o que era realmente importante você não desfrutou"


A história se passa exatamente na fazenda. Estava rolando uma festa, onde todas as pessoas do arredor estavam visitando Dona Carlota naquele dia. Pedrinho, ficou excluso, trancado no quarto observando todo o movimento. Até que uma menina linda foi chamá-lo para brincar, ela era Maria do Sol. 
Pedrinho brincou como nunca antes, mas quando uns amigos de Maria do Sol se aproximaram da garota, roubando-lhe sua atenção, o garoto mudou completamente e num ímpeto de raiva empurrou a garota na piscina dos adultos.
Depois do ocorrido, o menino ouviu os outros garotos gritando que ele tinha MATADO a Maria do Sol. Assustado, Pedrinho se escondeu e só retornou à fazenda de noite. Na madrugada, seus pais o pegaram e levaram-no de volta a cidade.
Pedrinho cresceu assustado, afastando-se cada vez mais das pessoas, sentia-se culpado pela morte da garota e pensava que merecia ser punido. Nunca conseguiu tocar no assunto da morte da Maria do Sol, todos tentaram, mas ele mantinha-se calado. Aos poucos foi desenvolvendo uma depressão, acordava assutado a noite e via o fantasma da garota em um canto do seu quarto.
Pedrinho se tornou um homem e ia tentando seguir a vida, começou a cursar Psicologia e finalmente teve coragem de contar para alguém todo o seu trauma da infância, o seu terapeuta.
Mas nem tudo é como parece.... O passado guarda segredos que podem mudar completamente a vida de Pedrinho. Ele será capaz de seguir em frente e esquecer o passado? O que se deve fazer quando a culpa corrompe e o destino já não está em suas mãos?

"Todos nós, às vezes, somos atormentados por fantasmas que criamos e só existem em nossa cabeça. Os monstros que vivem dentro de nós são os piores"


Maria do Sol é um livro leve, uma história doce que inicialmente relata a amizade entre crianças, mas que relata assuntos muito importante. 
A culpa, muitas vezes, pode destruir a nossa vida. Nos reclusamos de viver por um fato que ocorreu no nosso passado e desta forma estamos blindando o nosso futuro de acontecer, estamos cavando a nossa própria cova da tristeza.
A depressão é o mal do século, as pessoas não conseguem ser felizes, privam-se e acabam levando uma vida baseada na rotina. Caindo, sem perceber em uma roda gigante que nunca muda o sentido, que permanece ali, rodando sem parar e sem mostrar novos horizontes que podem ser seguidos.

A autora soube mesclar agradavelmente cada assunto, alertando os pais para a criação e falta de atenção com os filhos. Um livro que abre nossos olhos para nossa realidade e que te carrega por cada linha. Uma leitura calma, demorei umas 2 horas para terminá-lo e não me arrependi em momento algum. 
Maria do Sol te toca, te aflinge e te dá uma certeza: É preciso mudar! Mudar sua forma de encarar sua vida, mudar a forma como nossas crinças são tratadas, mudar o jeito que enxergamos o mundo. O Pedrinho se sentia culpado pela morte da Maria do Sol, mas quantas pessoas realmente se sentem culpadas pelas atrocidades que cometeram/cometem?
O futuro é escolhido por nós, então cabe a cada um fazer as mudanças necessárias! As crianças são o nosso futuro, você deseja ter rôbos sem sentimentos, ou seres humanos completos? 

"Ter ao alcance das mãos quem amamos é a maior dádiva que um homem pode ter"

Quem se interessou pela obra é só clicar AQUI para adquiri-la!

Contatos da Autora:





Beijinhos da Lice, gnomos!


Olá meus amorzinhos, Bom Dia! 
Tudo bem com vocês?

Refúgio da Ju me marcou na tag "The Versatile Blogger Award" e hoje vim responder pela primeira vez uma tag aqui no blog. Obrigada Ju por me marcar, adorei <3




Vamos conhecer as Regras da Tag:


- Agradeça o blogueiro que te indicou;
- Inclua neste post um link de volta ao blog que te indicou;
- Nomeie 15 blogueiros que você descobriu recentemente ou que você siga regularmente;
- Avise os blogueiros que foram indicados;
- Compartilhe 10 fatos sobre si mesmo;
- Adiciona a imagem do prêmio Versatile Blogger Award no post.


Então vamos aos 10 fatos sobre mim:

1- Sou extremamente tímida com quem não conheço, depois que pego intimidade as pessoas não me suportam hahaha
2- Faço Mestrado em Engenharia, mas meu sonho sempre foi fazer Jornalismo (Por que não fiz? Não Sei...) 
3- Sou viciada em futebol. Ops, já fui mais viciada... Mas não perco uma partidinha do meu time do coração: VAI TIMÃO!!!
4- Não fui incentivada a ler. A leitura apareceu na minha vida como algo nato, sempre gostei e se tornou meu vício preferido.
5- Não tenho muita paciência. Ou é, ou não é. Meio termo não funciona comigo!
6- Nunca li ou assisti Harry Potter. Calma! Não me matem! haha Pretendo comprar o box dos livros na Black Friday e finalmente viajar para Hogwarts.
7- Fui ao meu primeiro evento literário em Julho. Aqui onde moro, nunca tem muitas coisas legais :/
8- Não sei cozinhar, mas amo cozinhar... Nem eu entendo essa minha paixão pela cozinha, às vezes, bate a Palmirinha e eu saio cozinhando o que vejo.
9- Sou meio nerd. Não gosto dessa palavra, mas de tanto as pessoas falarem que sou nerd, estou me acostumando com isso. 
10- Já escrevi um livro. Nunca mostrei para ninguém e ele permanece trancafiado entre meus tesouros escondidos haha

Acho que é isso, espero que tenham gostado de me conhecer um pouquinho :)

Os Blogs que vou indicar são:


Deveria-se marcar 15 Blogs, mas eu marquei só 5 porque sou divergente, não posso ser controlada hahaha



Beijinhos da Lice

Olá leitores,

Hoje trago para vocês a resenha do romance "Onde Fica o Para Sempre" da autora parceira Mayra Carvalho!
O romance me surpreendeu, tanto pela história, como pela escrita que é tão madura. Ganhou um lugar entre os meus favoritados do ano.

Livro: Onde Fica o Para Sempre
Autora: Mayra Carvalho
Páginas: 228
Editora: Drago Editorial
Nota: 💙💙💙💙💙 Favoritado


"Quando alguém muito próximo da gente morre, é como se morrêssemos também. Então existe um momento em que, quem fica, precisa renascer [...] É preciso reaprender a viver sem a pessoa que tanto amávamos"



SINOPSE: Olívia vê sua vida se transformar quando seu grande amor, Daniel, com quem namorava há mais de dois anos, morre em um trágico acidente de moto. Devastada pela perda e sentindo-se culpada por sua morte, a jovem segue com a vida achando ter superado tanta dor. Em alguns momentos de introspecção, ela pensa ter visto o espírito de Daniel, mas rejeita tal possibilidade, responsabilizando por tais visões, sua mente perturbada. Dois meses após a morte do namorado, Olívia tem sua vida revirada novamente, mas agora a mudança partiu de sua própria vontade. Mesmo com as forças extenuadas, ela segue os conselhos dos pais e das melhores amigas e vai para a faculdade de letras, com a qual tanto sonhou. Agora morando sozinha, longe da proteção da família e tendo que tocar o próprio barco, Olívia tenta juntar os pedaços e recomeçar a viver. Mas alguém não a deixa ser feliz... Daniel!

Olívia é uma garota que acabou de completar 18 anos e teve sua vida virada de cabeça para baixo. Ela perdeu seu namorado, Daniel, em um acidente de moto e de repente é obrigada a conviver com todos os planos que não foram consumados e com uma dor que corrompe o seu coração. A jovem já não enxerga razões para continuar levando sua vida normalmente, seu mundo, literalmente, acabou.
Olívia e Daniel estavam juntos à dois anos, eram conectados pelo amor a música e a escrita. Ela compunha e ele tocava/cantava. 
Mas Olívia precisa se reerguer e continuar a viver, tocar seus planos e sonhos. A garota então começa o primeiro semestre de Letras na USP, decidida a radicalizar, vai morar sozinha. Na verdade, ela passa a dividir um AP com duas outras meninas, Carina e Julia.
Em meio as novidades da sua vida, Olívia começa a ter visões do espírito de Daniel. A primeira ocorre quando ela vai a casa dele buscar alguns pertences para guardar de recordação. 


"As minhas escolhas que vão me salvar ou me matar"



Na Universidade, Olívia conhece Vinicius e se encanta no primeiro olhar. Ela tenta negar para si mesma que sente algo e se recusa a "trair" o Dan, para ela isso é algo inconcebíbel. A partir deste momento, as visões com Daniel se tornarão mais fortes e ele passará a falar brevemente com ela.
A garota pensa que está ficando louca, que tudo não passa de delírios, mas diante de imagens e conversas tão nítidas ela já não sabe distinguir os fatos a sua volta. Olívia decide contar para suas  melhores amigas, Michele e Lorena, tudo que lhe vem ocorrendo. E disposta a ajudá-la, Mi sugere que elas façam o Jogo do Copo.
No Jogo, Daniel consegue mandar algumas mensagens para Olívia, formando as palavras: GAROTO. LONGE. SALVE-A. LIBERTE. Olívia não compreende as conexões das palavras e sente-se mais perdida... 
Sua vida se tornará um jogo e nesse jogo, Daniel só a quer para ele... Ela tentará arrancar forças para se reerguer, ela deseja recomeçar e reviver. Daniel não quer sua felicidade, seu egoísmo chega a sugerir que ela se mate. Vinicius deve ser uma carta fora do baralho. Mas como ela pode abandonar alguém que só lhe tem feito bem? Como ela pode se afastar da única pessoa que foi capaz de trazer cor a sua vida? Quem ela precisa salvar? Como ela pode salvar alguém, se ela mesma não consegue se salvar do seu passado?


"A gente complica tanto a vida, e ela não tem nada de complicada. Basta fazer o que se tem vontade e ela fica muito mais leve"



O livro nos traz uma porção de reflexões, confusões e sentimentos. A Olívia está perdida, não consegue desapegar do seu passado e seu futuro está seriamente comprometido. Ela precisa fazer as pazes consigo mesma para seguir em frente, e quem não precisa?
Às vezes, não nos permtimos viver por lembranças e amores de um passado, e enquanto você não decidir se libertar, irá continuar atada as algemas que te impedem de sorrir e ser feliz novamente. Com a Olívia aconteceu isso mesmo, mas sua história é bem mais profunda.
Ao descobrirmos os motivos que tornaram o Daniel egoísta, compreendemos tantos fatos que o nosso coração se torna leve, assim como o dele. O livro tem uma sequência de descobertas, aceitações e desafios que prendem o leitor a cada página. Não consegui largar a história enquanto não a terminei, me prendeu, me surpreendeu e me encantou. Chorei, sorri e carreguei cada personagem no meu coração.


"Uma coisa é perder alguém para a morte, outra bem diferente é perder para você mesma"


A Olívia e o Vinicius possuem uma ligação bem mais profunda, o destino (ou as ecolhas) encarregou-se de juntá-los. O amor floresceu na alma de ambos, no entanto, esse sentimento não depende apenas dos dois, forças ocultas e poderosas podem interferir neste relacionamento.
O livro é muito bem escrito, todos os pontos da história estão ligados, não há furos ou buracos, o leitor consegue seguir o fio da meada fluidamente. A edição do livro está linda, a capa é marcante e cada capítulo apresenta frases fortes. O livro tem 4 erros de digitação, que para alguns leitores possam passar despercebidos, mas creio que foi um erro de revisão da editora.

O Para Sempre é só uma continuação, que dependendo do ponto de vista de cada pessoa, pode mudar e se renovar, ou se acabar e ceifar. O Para Sempre é só o início de uma nova história, é o recomeço de uma vida, é a esperança de duas almas. O Para Sempre é construído de agoras e o agora é construído por nossas ações. Não adianta esperar um Para Sempre feliz, se você não consegue fazer do seu "agora", feliz. Viva o seu Para Sempre com amor, seja o amor e seu Para Sempre terá valido a pena!!!

Essa história é tão maravilhosa que se eu fosse vocês não perdariam tempo e iriam direto comprar o livro. Quem se interessou pela obra é só adquiri-lá AQUI!
A autora estará na Bienal de São Paulo nos dias 02 e 03 de setembro de forma Não Oficial, infelizmente :/

Espero que tenham curtido a resenha, tanto quanto eu gostei de escrevê-la!!!


"Tudo que acontece em nossa vida são consequências das nossas escolhas, e o meu destino nada mais é do que a consequência das escolhas que fiz [...] Eu escolhi não sofrer mais"

Contatos da autora:
Facebook
Página do Livro
Instagram



Beijinhos da Lice!

Olá meus leitores,

Há alguns dias atrás assisti pela primeira vez o filme "O Morro dos Ventos Uivantes" (versão 2009) e acabei me surpreendendo...
O livro é um dos meus preferidos por todo conflito interno que permeiam os corações do Heathcliff e Catherine. A obra dosa todos os sentimentos de forma bruta, principalmente o desejo de vingança e ódio, passeando fluidamente pelo amor e a morte.

"Oh, meu Deus, é impossível! Eu não posso viver sem a minha vida! Eu não posso viver sem a minha alma!"


O livro é um clássico da literatura inglesa, foi lançado em 1847 e é o único romance escrito por Emily Brontë. Conheci a história através do Crepúsculo, isso mesmo, a Bella me fez comprar e me apaixonar pelo romance. 
Quando li a primeira vez já sabia que O Morro dos Ventos Uivantes tornaria-se um dos meus livros preferidos. A escrita é clássica e você demora a entender a história, já que ela é narrada através de lembranças do passado de uma personagem coadjuvante. Mas se tem um livro que eu indico e recomendo, pode apostar que é esse. Todo ano reservo um tempinho para lê-lo e me transportar novamente para o morro e essa história de amor!

"Se tudo o mais perecesse e enquanto ele perdurasse, eu ainda continuaria a existir; e se tudo o mais restasse e ele fosse aniquilado, o universo se tornaria muito mais estranho"


Vamos a história do filme... 
Tudo se passa na propriedade dos Morros dos Ventos Uivantes. O sr. Earnshaw dono da propriedade, resolve viajar para Londres e quando volta traz uma grande surpresa consigo, o acanhado e misterioso Heathcliff. O sr. Earnshaw, era viúvo e tinha dois filhos: a bela Catherine e o presunçoso Hindley. Cathe adora a ideia de ter mais alguém para brincar e realizar suas travessuras, já Hindley odeia desde o primeiro instante o garoto. 
Catherine e Heathcliff vão aos poucos nutrindo um sentimento que transpassa o amor de irmãos. No entanto, quando o sr. Earnshaw morre, Hindley (que há anos estava na capital) volta e começa a tomar conta da propriedade com a sua mulher. A partir deste momento, Hindley deseja separar Heathcliff e Cathe, e vingar-se por todo o amor que o garoto arrancou do seu pai.
O destino parece conspirar a favor de Hindley. Em uma das suas travessuras com Heathcliff, Catherine se machuca e é obrigada a passar um mês na propriedade do seu vizinho, o sr. Linton.
O filho do sr. Linton, Edgar se encanta pela jovem Cathe e no tempo que ela passa com eles, ela muda completamente, deixando de lado seu lado livre e despreocupada, tornando-se uma verdadeira lady
Heathcliff odeia ver no que Catherine se transformou e decide ir embora daquele local, logo após brigar com a jovem... Quando volta, anos depois, Catherine está prestes a se casar com Edgar. Parece que o amor de Heathcliff e Catherine está fadado a ser apenas um sonho não consumado pelos dois e separado por mortes...



Na sequência temos: Heathcliff (Tom Hardy), Catherine (Charlotte Riley) e Edgar (Andrew Hawley).
Heathcliff tornou-se um homem amargo, com o desejo de vingança maior do que seu próprio amor.
Catherine é uma personagem extremamente egoísta, inconstante e impulsiva. Ela brinca com os sentimentos de todos a sua volta, desejando sempre ser mimada e ter todos aos seus pés. Quando contrariada não mede esforços para se vingar e humilhar.
Já Edgar é um príncipe com todas as letras. Gentil, cavaleiro, bom moço, sempre disposto a fazer tudo pela malvada Cathe e sua família. Um eterno crush haha

"Eu amo o meu assassino... Mas o teu! Como o poderia eu perdoar?"


O amor de Catherine e Heathcliff tem tanto ódio junto, que em certos momentos não sabemos se é realmente amor ou apenas possessividade de ambas as partes.
É um sentimento extremamente forte que ultrapassou as barreiras da morte e foi conduzido pelos fantasmas do passado prontos para fazerem do futuro seu ponto de tragédia, dor e vingança. 

“Não tenho medo, nem esperança de morrer. Contudo não posso continuar assim! Tenho que me lembrar de respirar, de manter o meu coração a bater! A luta tem sido longa e desejo tanto que acabe em breve!”


No filme, claro, não temos uma história 100% fiel ao livro. Mas, a base permanece. Senti falta de alguns personagens e de algumas cenas que me marcaram tanto no livro. No entanto, isto não comprometeu o resultado final, o filme tem um roteiro e cenários impecáveis.
Os atores estão maravilhosos em cena, a Charlotte interpretou uma Cathe tão forte como a do livro e o Tom fez um Heathcliff que me passava todo mistério e raiva do personagem. 

"O Morro dos Ventos Uivantes" não é apenas mais uma história de amor, é bem mais forte que qualquer sentimento que possamos imaginar. Ao ler ou assistir, choraremos, sorriremos e iremos desejar sentir um terço do arrebatador sentimento que rodeia o Heathcliff e a Catherine. A morte é retratada como só o início, o que vem depois é só a vida disfarçada de morte.
Todos nós, sem exceção, temos um pouco do egoísmo da  Cathe, da vingança do Heathcliff e do amor puro e igênuo do Edgar. 

"Tu me amavas... que direito tinhas então de me deixar?"

O amor é a única força capaz de mudar, aproximar e até mesmo separar as pessoas... 
Se deixem sentir tudo que o livro possa passar e se jogue em cada página como se fosse a última.
Espero, sinceramente, que consigam dar uma chance para o Morro e que não vejam a morte como o fim, ela é apenas o recomeço!!


Links para comprar o livro:

Links para assistir o filme (versão 2009):
Youtube (Legendado)
ILoveFilmesOnline (Dublado)



Beijinhos da Alice


Olá leitores, 

Recebi ontem o livro "Loui, O Palhaço Medonho & Outros Contos Sombrios" em parceria com a Editora Fonzie e já devorei as páginas como se as mesmas fizessem parte das minhas entranhas. 
Sou uma medrosa de carterinha, me arrepio com qualquer bobagem, mas o livro conseguiu me sugar e me vi, pela primeira vez, ansiosa por ler cada página de um terror!!! 
Estejamos preparados, pois a brincadeira já começou...


Livro: Loui, O Palhaço Medonho & Outros Contos Sombrios
Autores: Leonardo Otaciano e Matheuz Silva
Páginas: 132
Editora: Fonzie
Gênero: Ficção de Terror e Suspense
Ano da publicação: 2016
Nota: 💙💙💙💙💙

"As luzes acesas não livram ninguém da morte, sabia?"


SINOPSE: Acervo sombrio de Leonardo Otaciano e Matheuz Silva ocupado por tétricos vilões, criaturas sobrenaturais, elementos sanguinários, jovens possessos e um medonho palhaço, seres presenciados pelo leitor em âmbitos excêntricos e corriqueiros. O medo será um louvável companheiro durante as descobertas nefastas destes recontos.

Loui, O Palhaço Medonho é um livro com 12 contos que permeiam ambientes obscuros e transpassam o medo que habita todos os seres humanos. Cada conto apresenta um toque especial que torna a leitura da obra leve, tirando todo ar pesado que causa receio nos leitores em relação ao terror/suspense.
A maioria dos contos tem como personagem central o palhaço, Loui. O Loui é realmente macabro, ao conhecer ele pela primeira vez, cada pelo dos meus braços e nuca se eriçaram. Mas sabe aquele personagem que é tão mal que depois de um tempo você acaba gostando? Então, isso aconteceu com o Loui. Eu me apeguei a ele e no único conto que ele não matou ninguém, eu gargalhei e senti falta das formas interessantes que ele usa para matar suas vítimas. Me senti entrando na mente do Loui e entendendo o que lhe motiva a cometer tais atrocidades, ele ao fim é apenas mais uma pessoa ignorada pelo mundo e descartada pela sociedade medíocre que teima em rotular as pessoas, seja pelo seu físico ou pelo intelectual. 

"Os piores pesadelos sonhamos acordados"


Os contos também trazem o Madarijeszto, um espantalho diabólico; Divina, a mulher de vestido branco; Mitt, a morte e o Déwin, o duende vingativo. Algumas estórias acabam tendo um ponto de ligação, no qual o leitor consegue perceber o fio da meada que os autores buscaram demonstrar. 
A escrita é fascinante, passeando entre o medo, o suspense e a vontade de sair correndo e buscar o colo da mamãe. Os autores me surpreenderam, pois a obra é tão bem escrita, que o meu pânico em alguns pontos, foi completamente superado e no final do livro, eu anseiava por mais :/

Por que tão poucos contos??? 
Foi o meu primeiro livro do gênero e terminei-o com a certeza que será apenas o primeiro, pois me senti conduzida e com toda certeza manterei um elo com o terror.
Para quem gosta de ler a noite, eu não recomendo, tentei a experiência e passei horas a fio me remoendo na cama, imaginando se o Loui poderia estar ali, ao meu lado. Mas talvez eu virasse amiga dele né?  Quem sabe... 

"Em cada encruzilhada há um Mitt esperando por você, não vá cometer a burrice de apertar a sua mão"


O meu conto preferido foi  "O Cemitério Perdido", pois mostra que, às vezes, a morte é só um detalhe, que faz parte do seu ser desde o nascimento. Podemos estar mortos e nem perceber, continuar vivendo aquela rotina nos aprisiona dentro de um mundo a parte. 

A Fonzie deu um espetáculo a parte em relação a edição. Além de uma capa marcante, cada capítulo é apresentado ao leitor com uma imagem e frase impactantes, o que permite que se tenha uma noção sobre o conto antes mesmo de degustá-lo.

"Os rejeitados voltarão... mesmo que seja do fundo do abismo"

                       

Liberte-se! Viva! Entregue-se ao terror e ao pânico, a sua salvação pode ser um palhaço medonho, assim como o seu martírio!

Obrigada a Fonzie por me proporcionar abrir meus horizontes e me arriscar em novos gêneros!

Quem se interessou pelo livro e quiser comprá-lo, CLIQUE AQUI!

Contatos da Editora Fonzie: 
E-mail: contato@editorafonzie.com.br


A Fonzie disponibilizou um exemplar para vocês, então preencham o formulário e participem :)
Lembrando que é obrigatório seguir o blog e a página do facebook da Editora! A Fonzie terá uma semana para o envio do livro!





a Rafflecopter giveaway Beijinhos da Lice, uma nova amante do terror! 

Olá leitores,

Resolvi diversificar um pouquinho o blog e hoje trago para vocês as 5 músicas que marcaram a minha vida!
Sou uma pessoa bem eclética quanto a estilo musical e consigo passear por todos os gêneros, curtindo uma boa música quando me é apresentada.

A música sempre foi o combustível da minha alma, o meu ponto de equilíbrio, de força e de energização. Através dos sons consigo libertar toda a tensão e extravasar os meus sentimentos mais ocultos. 
Então vamos lá para o meu TOP 5:

1- Pra você guardei o amor - Nando Reis part. Ana Cañas
Eu sempre falo que essa música é a minha preferida da vida. Não consigo ouvi-lá sem ir aos prantos. O Nando consegue me emocionar em várias das suas músicas, mas "Pra você guardei o amor" toca meu coração de uma forma inexplicável.
Conheci a música através da novela "Cama de Gato" e por todo contexto que envolvia o casal Débora e Pedro que tinha as cenas embalados pela música, ela marcou minha adolescência.
A música me faz acreditar no amor verdadeiro, puro e singelo. Sempre falei que quando encontrasse meu amor essa música faria parte da nossa trilha sonora hahaha

"Pra você guardei o amor, que sempre quis mostrar, o amor que vive em mim vem visitar"




2- Tempo Perdido - Legião Urbana
Como não poderia ser diferente, no meu Top 5 está uma música do Legião Urbana. Eu sou completamente apaixonada pela Legião e sempre tive o sentimento de tristeza por não ter nascido no auge da banda e não ter conhecido o Renato.
Tempo Perdido é uma música que me dá esperança, que reaviva minhas forças e que mostra que ainda somos jovens e capazes de buscar o que queremos, seja um sonho ou a realização de um amor.
Essa foi uma música que me foi apresentada por aquele tipo de pessoa que entra na sua vida e sai rapidinho, mas que deixa como herança uma obra prima dessas. Obrigada pessoinha por me apresentar essa preciosidade! 

"Todos os dias quando acordo, não tenho mais o tempo que passou, mas tenho muito tempo, temos todo o tempo do mundo"




3- Dias de Luta, Dias de Glória - Charlie Brown Jr.
O Chorão tinha o dom de escrever músicas que tocam a alma de todo ser humano e comigo isto não é diferente.
"Dias de Luta, Dias de Glória" me ensinou a manter minha fé em todas as situações, a lembrar que cada dia é uma nova história, um novo desafio a ser transposto. Se hoje eu choro, amanhã sorrirei. Não permitirei que uma queda abale minha caminhada. Obrigada Chorão!


"Com a cabeça erguida e mantendo a fé em Deus, o seu dia mais feliz vai ser o mesmo que o meu. A vida me ensinou a nunca desistir, nem ganhar, nem perder mas procurar evoluir"




4- Pra Não Dizer Que Não Falei do Ódio - Projota
O Projota é um rapper brasileiro que passa nas suas músicas a realidade nua e crua (pelo menos passava). A maioria das pessoas conhece ele por suas novas músicas românticas, mas eu conheci o trabalho dele a muito tempo atrás.
"Pra Não Dizer Que Não Falei do Ódio" mostra o turbilhão de sentimentos que nos consomem quando somos injustiçados, invejados ou perseguidos. TODAS as pessoas deveriam escutar esta música e consegui absorver a mensagem que ela passa. Simplesmente amo essa música e mostro para todas as pessoas que conheço. Já consegui fazer algumas pessoas transformá-la em sua preferida e me orgulho disto!


"Ainda sinto nojo, sinto pena e raiva de alguém, mas sei que meu jeito, meu mal, meu defeito fazem com que alguém sinta isso por mim também"





5- Photograph - Ed Sheeran
O Ed é o meu mais novo vício musical, eu estou completamente in love com todas as suas músicas. No entanto, Photograph conseguiu arrebatar minha alma. Não tem um dia que eu não ouça essa música e meus olhos não marejem.
Essa música me toca tanto, em grande parte, por causa do filme "Como eu era antes de você". Ao ouvir Photograph lembro imediatamente da história da Loui e do Will.
A música fala do amor de uma forma única. O amor é realmente a nossa salvação e ao mesmo tempo o nosso martírio. Quer curtir uma fossa com classe? Ouça essa música e venha chorar comigo!


"Loving can heal, Loving can mend your soul"

Tradução: "Amar pode curar, Amar pode remendar sua alma"




Espero que vocês tenham curtido a playlist da minha vida e que embarquem nessa aventura de conhecer novos cantores e gêneros. Cada música tem um valor inestimável na construção da minha personalidade e escolher apenas 5 músicas foi uma tarefa difícil! Comentem que música mais marcou/marca sua vida também :)



Beijinhos da Alice, uma amante de músicas velhas e boas!

Olá amados leitores,

Hoje trago para vocês a resenha de um livro muito instigante e desafiador, o Hotel California do autor parceiro Fernando Risch!
Sugiro que você leiam a resenha enquanto ouçam a música no qual o livro foi inspirado! Clique aqui!

Livro: Hotel California 
Autor: Fernando Risch
Editora: Multifoco
Págs: 174
Nota: 💙💙💙

"Às vezes já estamos mortos, apenas não sabemos"


Sinopse: Inspirado na famosa música Hotel California da banda norte-americana The Eagles, o livro homônimo recria de forma romantizada a história obscura por trás do hit. Citando de forma linear a letra parafraseada da canção no desenvolvimento da obra e interpretando-a através de teorias sobre sua origem, Fernando Risch conta a história de Johnny Eagle, um fora da lei que, em uma noite de cansaço, se hospeda em um hotel de beira de estrada e vê seu presente colidindo com seu passado, remontando sua vida, enquanto tenta entender os enigmas do local. Entre teorias sobre manicômio, inferno e vício em drogas, as obscuridades de Hotel California remontam uma história de mistérios que parece não ter fim.


Johnny Eagle é o típico fora da lei: cabelos desgrenhados, barba por fazer, roupas sujas e a vida sendo levada pelo destino.
Quando pequeno, foi apelidado como Little John, pois era uma criança medrosa buscando ser aceita em um ciclo social. Mas sua coragem foi posta à prova e ele mostrou que seus 12 anos de idade já lhe davam coragem suficiente para cometer seu primeiro assassinato.  Logo depois do ocorrido, Johnny fugiu de casa, deixando para trás o seu passado e construindo uma nova identidade para si mesmo.
Sua vida passou a ser regada por provas de coragem, força e determinação. Teve sangue frio para cometer as piores atrocidades e soube tratar a vingança como sua maior aliada. Sangue, solidão e uma garupa tornaram-se seus pilares, a estrada era a sua casa e o vento, seu ponto de paz.

Em uma das suas viagens, depois do cansaço abatê-lo, ele encontra o Hotel California e decide passar a noite naquele local. O Hotel tem um ar macabro e misterioso, a recepcionista parece lhe aguardar e ao adentrar na recepção um cansaço toma seu corpo por completo. Eagle é levado ao quarto e depois de uma noite de relaxamento, acorda decidido à ir embora. No entanto, seu destino lhe aguarda surpresas naquele Hotel...
De manhã, todo ar misterioso que rondava o Hotel a noite parece ser tomado pelo sol brilhante, que leva cor a cada pedacinho daquele lugar. Johnny se sente revigorado e começa a desvendar o que o Hotel pode lhe trazer. Ele conhece uma bela jovem que lhe atrai pelo seu perfume, um Tiffany; e faz amizade com o garçom do bar, o Bernie.
Logo, Johnny se sente curioso sobre um hóspede que está sempre rodeado de belas jovens (inclusive a do perfume) e de bajuladores. Descobre através de Bernie, que o homem se trata do misterioso Capitão e que a bela jovem é uma das acompanhantes preferidas dele.

"Aparentar não é ser. Nem tudo que se aparenta é"


Eagle passará a se envolver cada vez mais nos mistérios que rondam o local e seus habitantes, e terá os mais diferentes sentimentos despertados, que mexerão com o seu interior.
A partir deste momento, conheceremos um homem imerso a seus próprios demônios do passado. Ele busca provar que é corajoso, mas nem todos os nossos atos podem ser de coragem, a fraqueza está arreigada ao ser humano. 
Ele redescobrirá fraquezas ocultas pelo tempo e se perderá no próprio tempo. No Hotel California, Johnny descobrirá o que a vida lhe aguarda ou como ela pode ser lhe tomada. 

O autor conduz a obra com maestria, despertando-nos todos os nossos remorsos e dúvidas, fazendo-nos relembrar a todo momento a música na qual o livro foi inspirada. 
A escrita é leve, mas me causou certa ânsia de vômito em uma cena em particular. Mesmo assim, eu não consegui parar de ler a cena, pois os detalhes que me causaram ânsia acabam sendo fundamentais para a percepção da personalidade do personagem principal. O livro intercala-se em cenas do presente e do passado, nos levando a conhecer à fundo a mente do Johnny.

A obra me fez refletir e pensar o quanto às vezes nós não estamos mais vivendo, apenas existindo em uma rotina sem sentido. Somos sugados por nós mesmos e acabamos entrando em um ciclo vicioso, onde só a tristeza nos aguarda ao final! É preciso viver, colocar os pés no chão e manter a cabeça firme. Não vale a pena só existir, é perca de tempo, é perca de alma!

Obrigada pela oportunidade Fernando. Foi uma leitura prazerosa do início ao fim, que me trouxe muitas dúvidas sobre mim mesma e me causou certo frisson. Surpreendente! 

Contatos do autor:

Links de Compra:

As fotos usadas são da minha amiga linda Jaque do https://www.instagram.com/nerd_literaria <3



Espero que você tenham curtido a resenha, tanto quanto eu!



Beijinhos da Alice!

Olá leitores,


Realizei a primeira entrevista do blog com a Amanda Reznor autora de Delenda & o Vale dos Segredos. Tem resenha do livro no blog, quem quiser ler CLIQUE AQUI e fique por dentro de todos os mistérios existentes no Vale dos Segredos!

Entrevistada: Amanda Reznor
Livro publicado: Delenda & o Vale dos Segredos



Biografia: Amanda Reznor registra estórias desde que aprendeu a escrever. É autora do livro Delenda & o Vale dos Segredos, publicado pela Madras, e também apaixonada por toda forma de arte, cultivando o canto, a dança, o desenho, a pintura, o teatro, a composição musical e a fotografia. É também mãe de dois filhos, pós-graduada em Jogos Digitais e mestranda em Gestão e Desenvolvimento da Educação Profissional.
Atuou em filmes de produção recente (2015/2016), como Cipriana Gótica, do diretor Claudio Andrade e roteirista Lala Lopes, para o qual também colaborou com parte da trilha sonora com a música Death Instead. Colabora com a produção do roteiro Fêmeas, de Michelle Palma, e tem diversos contos e poemas publicados, sendo colunista da Revista DIVAS desde o início, quando suas matérias falavam sobre Sonhos e Mapa Astral.

Contatos da Autora: 
Facebook: https://www.facebook.com/amandareznor?fref=ts
E-mail: amandareznor@hotmail.com
Blog: http://amanda-reznor.blogspot.com


Entrevista:

1- Olá Amanda, tudo bem? Primeiramente, obrigada pela entrevista. Para alguém que não conhece o "Delenda & o Vale dos Segredos", o que você falaria inicialmente sobre o livro?
Resposta: Primeiramente, eu que agradeço pela oportunidade!! *---* s2
Para quem ainda não conhece o Delenda, eu diria que é uma ótima opção para quem gosta daquela sensação de arrepio ao ouvir histórias assombradas ao redor da fogueira, de tentar desvendar um mistério com a própria lógica, e se surpreender por descobrir que era tudo diferente do que você imaginava ao final!

2- De onde surgiu o desejo pela escrita?
Resposta: Eu comecei a escrever quando tinha entre 7, 8 anos, e duas coisas me incentivaram: primeiro, a separação dos meus pais, que me fez voltar um olhar diferenciado para o mundo, e escrever ajudava a me afastar daquela situação; segundo, o início da produção das fábulas na escola, que me rendeu elogios da professora e, sendo o que eu "de melhor sabia fazer" na sala, achei que aquele era o meu talento, e fui em frente! Com 10 anos eu escrevia muitos poemas e comecei a escrita do meu primeiro livrinho, o "Mirela, a Moska", que era sobre uma menina que um dia acordava e havia virado um inseto, e começava a descrever a sociedade sob sua nova perspectiva. Infelizmente eu perdi a maioria das minhas produções, e só depois de voltar para São Paulo, em 2005, foi que eu consegui manter um ritmo, descobrindo os concursos literários em 2010.

3- Além da escrita de fábulas na escola, você também era uma leitura assídua? Conte um pouquinho da sua história com a leitura e que influência a mesma teve na sua vida.
Resposta: Sim, eu sempre gostei de ler histórias em quadrinhos e almanaques, mas foi depois da Bienal do Livro de SP de 1996, quando minha mãe voltou cheia de livros para casa, que eu comecei a pegar gosto pela leitura. Na mesma época eu também fui sorteada e ganhei um livrinho em um evento da escola, e eu gostava de ficar na Biblioteca folheando livros de Ciências. Com 10 anos eu comecei a ler livros maiores e alguns clássicos, como a Volta ao Mundo em 80 dias, do Júlio Verne, e Ciranda de Pedra, da Lygia Fagundes Telles, que é minha autora favorita até hoje. Aos 12 anos, com a explosão do primeiro volume de Harry Potter (e a Pedra Filosofal), eu formalizei de vez a minha paixão pela leitura! =D

4- Você citou a Lygia Fagundes Telles como sua autora favorita, mas quais outros autores você admira e te inspiraram/inspiram?
Resposta: Eu também admiro e me inspiro em Machado de Assis, Lima Barreto, J. K. Rowling, Allan Poe, HP Lovecraft, Stephen King, Anne Rice e, bem, acredito que toda leitura sempre nos engrandeça como escritor, ampliando nossos vocabulário e horizontes, incrementando nosso estilo e permitindo que estejamos em constante evolução!

5- Voltando a falar um pouco sobre Delenda. Como surgiu a ideia/criação de um universo tão particular? 
Resposta: Eu não tive uma inspiração específica para o Delenda, na verdade era mais como um lugar para o qual eu queria "escapar" e emoções que eu queria viver. Na época eu estava morando no Mato Grosso, por isso o ambiente de lá influenciou bastante a paisagem que eu imaginava, e as pessoas com quem eu convivia também me serviram de inspiração para criar as personagens. Mas só fui completar a história em 2010, 5 anos depois de ter retornado para São Paulo, e então fui apenas criando um enredo que respondesse a todos aqueles mistérios que eu criei no começo do livro, e que ainda não tinham resposta. Atualmente, meu processo para o Castelformia é outro - estou estruturando o livro antes de escrevê-lo, para poder me guiar melhor e não deixar pontas soltas!

6- A Cláudia Blaise é uma personagem corajosa e determinada. Acho que os leitores de Delenda, pelo menos eu, desejam ter um pouco da personalidade e força dela. Como é ter uma personagem inspirando tantas jovens? Você se enxerga nela?
Resposta: Eu acho que é uma alegria, e também uma grande responsabilidade! Eu vejo a Cláudia como uma parte de mim, as indecisões, falar o que pensa, ser meio impulsiva às vezes... Na verdade isso tudo faz parte da minha personalidade, embora a Cláudia tenha outras características que são só dela, e eu vou dar uma dica para que reparem melhor na Greta e na Anna-Luce, porque elas, juntamente à Cláudia, irão formar um triângulo e... Bem, sem mais por enquanto!! Haha

7- Opaaaaa! Você citou a Greta e a Anna-Luce, alguns dos seus personagens é um espelho de alguém que você conhece? 
Resposta: Na verdade, a Greta seria a protagonista do passado da história do Vale dos Segredos, que ainda não foi contada, e as três protagonistas, Cláudia, Greta e Anna-Luce, carregam um pedaço de mim; mas, além disso, há um segredo maior, e esse só será revelado bem lá adiante, para aumentar o suspense (risos)!

8- Os segredos só aumentam e minha curiosidade de leitora se aguça cada vez mais hahaha O que você pode contar para nós sobre Castelformia?
Resposta: Hahaha mas isso é bom!! xD Ao menos, fico feliz que os leitores estejam ansiosos pelas próximas revelações (risos). Então, o Castelformia irá se passar 100 anos após o Delenda. O mundo 
estará totalmente diferente, sob governança de um único partido (a G.U.), com um Centro Mundial rico e abastado, mas as regiões vão se tornando empobrecidas e menos populosas quando se caminha em direção aos extremos Norte e Sul. O Vale dos Segredos está quase no Grande Extremo Norte, e Anna-Luce vive em Lâmpien, aos pés da Montanha Média, uma cidade de área rural, mais pobre e sem os recursos tecnológicos das capitais centrais. Eis que uma grande mudança está para ser operada na vida de Anna, e nós iremos acompanhá-la em uma aventura interdimensional... E, sim, Cláudia ainda irá aparecer,a partir do exato momento em que ela deixa o hospital, com Maurício!

9- Castelformia tem tudo para surpreender os leitores, essas informações já me deixam mais ansiosa para a leitura. Você já tem uma previsão para o lançamento do livro? Como é ser uma autora em um país que pouco valoriza os seus escritores e disponibiliza pouco (nenhum, na maioria dos casos) recurso para incentivar a literatura?
Resposta: Eu ainda estou escrevendo e pretendo finalizar esse volume (o da Ordem de Omnia) até outubro, e acredito que entrará no cronograma de publicação da Madras de 2017, mas preciso do retorno deles, então ainda não é 100% certeza! Além disso, estamos trabalhando em ilustrações exclusivas com o Humberto Brando Jr, e vai ficar muito bonito!! Realmente não é fácil ser autor, tanto no Brasil quanto em outros países, imagino; publicar um livro tem que antes ser uma expressão pura de amor pela arte e pela mensagem que se quer passar, e não uma forma de se obter sucesso e enriquecimento; por isso, se você escreve sem criar a expectativa de algo maior e com o entendimento de que "tudo o que vier é lucro", tem mais chance de ver boas oportunidades e seguir adiante no mercado. Agora criar ilusões e o desejo de um retorno rápido é o primeiro passo para o fracasso dos autores iniciantes!
Ilustração de Billo, uma criatura do escuso (onde ica o vilarejo de Castelformia) e que pertence ao gênero dos Goblins, sendo também um ser interdimensional com poderes de se tornar invisível e viajar entre mundo, motivos pelos quais é muito usado como espião!

10- Você entrou na discussão de um assunto importante. Hoje em dia, vemos muitas pessoas publicando livros apenas para obter um recurso financeiro, a arte ficando em segundo plano. Há uma febre de livros de "youtubers" e eles de certa formam acabam incentivando a leitura, mas o conteúdo da obra é muitas vezes superficial. Qual a sua opinião sobre isto? Você sente que o público alvo das publicações mudou? 
Resposta: Então, isso é basicamente a aplicação de marketing transmídia, assim como o livro que vira filme, depois jogo etc, e isso não é errado, e nem vai mudar o público, na minha opinião - até porque, é uma questão de demanda - só existe procura quando o consumidor deseja adquirir o produto. Por isso é difícil encaixar arte e mercado, embora não seja impossível - no ramo literário, o bom autor deve também ser empreendedor, procurando unir as tendências ao seu trabalho, sem, contudo, destruir a essência da sua arte. Existe o produto que é puramente comercial, e existe aquele que tem valor maior, por isso que essas modinhas tendem a desaparecer da memória depois do período da febre, enquanto que boas obras, como os clássicos ou, para falar de algo mais moderno, a série da J. K. Rowling, perduram por eternidades. Daí quem escolhe a preferência - ser um estouro momentâneo ou um pedaço da história - é o próprio artista!

11- Eu apostaria que a sua obra ganhará o prestígio que merece na hora certa, seu trabalho é bem fundamentado e com toda uma pesquisa por trás. Como é o seu contato com os seus leitores? Eles pedem conselhos em relação a escrita? O que você sugeriria para alguém que deseja começar a escrever?
Resposta: Agradeço pelo seu prestígio, sua opinião é muito valiosa para mim!!! Eu não consigo atender a todas as mensagens, infelizmente, mas mantenho o grupo de leitura pelo Whats e procuro responder a todos, sempre que possível, ainda que demore! Meus leitores costumam sim me procurar para pedir dicas de escrita, e para quem deseja começar a escrever o meu conselho inicial é que mantenha um ritmo de treino, meia hora por dia é o suficiente; que sempre releia o que escreveu, de forma crítica, e peça a outras pessoas próximas para ler e dizer o que acharam, sem medo de ouvir que está ruim. Só prestando atenção aos nossos erros é que poderemos evoluir na escrita, e, claro, devemos lembrar de que não estamos escrevendo para nós mesmos, e sim para outras pessoas - portanto devemos imaginar se qualquer outra pessoa que lesse o texto chegaria ao mesmo entendimento que você quis passar, o que nem sempre é fácil, já que pode haver muitos erros de "tradução". O bom autor também é bom leitor, então não seja preguiçoso e leia sobre tudo, principalmente os clássicos, porque eles fornecem uma base que solidifica e aprimora a nossa gramática, vocabulário e raciocínio lógico!


12- Infelizmente chegamos ao fim ( ahhhhh :/ ) Queria agradecer pela entrevista, pelo tempo e carinho que você disponibilizou para responder cada pergunta. Que recado final você gostaria de deixar para os seus fãs e futuros leitores?
Resposta: Simmmm =( Mas fiquei muito feliz por participar e me diverti respondendo às perguntas!! Eu quero dizer aos leitores que agradeço pela paciência de aguardarem o Castelformia e por estarem continuamente me apoiando e incentivando! O nosso país só tende a melhorar se continuarmos lendo muito!!! \o/

x- x- x

Espero que vocês tenham apreciado a entrevista! E logo mais tem outros autores pintando por aqui!


Beijinhos da Alice


Olá leitores,

Hoje trago para vocês a resenha do livro "Ele não é isso" do Rodrigo Moreira. Foi um livro que me surpreendeu bastante e muito mais do que terror, traz uma lição interna para cada leitor, levando-nos à refletir sobre nossa sociedade atual.

Antes de começar a resenha queria dar um comunicado importante. Infelizmente, a colaboradora do blog, a Jaque, não poderá postar mais aqui, por problemas pessoais. Obrigada Jaque pelo tempo que me ajudou, você é especial para mim e sabe disso!

Livro: Ele não é isso
Autor: Rodrigo Moreira
Editora: Arwen
Páginas: 263
Gênero: Ficção/Terror
Nota: 💙💙💙💙

"Acontece que a sua história, o seu legado, mostrará quem você realmente é. Porque viveu e viverá, eternizado nas mentes e nos corações de outros"


SINOPSE: Em pleno marco zero de São Paulo e escondida entre as paredes do edifício Nazareth, uma história, que antes fora de amor, vai se tornar sofrimento, tortura e medo. Em uma noite tranquila, Matias e sua esposa, Felícia, grávida de 6 meses, são atacados por um cão. Para ele, havia sido apenas um susto. Para ela, uma dolorida, mas curável, ferida na perna. No entanto, a ignorante certeza de que tudo acabará bem, desprezando a necessidade de cuidados médicos, causará sérias consequências. O que tal negligência ocasionará às vidas dessa família? Que destino um simples acidente revelará para o mundo? Matias, enclausurado em seu apartamento com seu filho, Júnior, viverá momentos tenebrosos e sombrios que mudarão para sempre a sua história e das pessoas à sua volta. Um pai, um filho e um destino amedrontador.
Uma história de terror, drama? Quem sabe! Pode-se dizer que este é, apenas, um relato sobre um ser que, há muito tempo, deixou de viver, mesmo que a função fisiológica denominada respirar diga o contrário.

O livro começa sendo narrado por 4 cientistas que contam, através de gravações, sobre um novo vírus que contaminou a Terra e acabou transformando-a em um local fatal.
Logo depois, embarcamos na história do Matias e da sua família.
O Matias perdeu a mãe aos 9 anos, foi criado pela sua tia Selene e o marido dela, Raimundo. Matias sofreu pela perca da mãe, mas muito mais que isso, sofreu um abalo psicológico que levou para a sua vida. Foi abusado durante sua infância e por conta disto nunca teve perspectiva na vida, sempre pensando na sua vingança. Ele cresceu pelas ruas, vendo e fazendo coisas erradas. 

Certo dia, conheceu a jovem Felícia e resolveu que iria conquistá-la. Felícia era uma moça de família Tradicional, que sempre buscou a Deus, repudiando todos os pecados mundanos. Porém, a jovem deixou-se seduzir por Matias, que após conquistar o seu "prêmio", abandonou-a. 
Felícia acabou engravidando e ao contar para Matias, foi repreendida pelo mesmo, que não queria nem saber da moça e tão pouco do bebê. Felícia foi expulsa de casa pelos seus pais e passou a morar com a sua tia. Mas a moça sofria por ter pecado e passou a viver perturbada com seus próprios pensamentos.

Matias, presenciando o sofrimento que causara a moça, acabou se arrependendo. Foi procurar um emprego descente para casar com a jovem e constituir a sua família. O amor aos poucos foi surgindo e parecia que finalmente o jovem casal teria uma vida comum. Mas o destino encarregou-se de puni-lo por todos os seus erros. 
Um dia ao passearem pela rua, Felícia foi mordida por um cachorro. No princípio, ambos não acharam isto relevante, mas aos poucos, a jovem começou a apresentar sintomas estranhos, tendo febre e fortes dores constantes. Em uma tentativa de salvar Felícia, Matias levou-a ao hospital, porém os médicos pouco puderam fazer. Ela morreu logo após ao parto e os médicos constataram que ela estava com a Doença da Raiva.

"Nós não nascemos para viver sozinhos. Precisamos construir uma história e deixar um legado. Amarmos e sermos amados. É algo que por um tempo até podemos sublimar, mas não por uma vida toda"

Seu filho, Júnior,  passou por vários exames, mas nada foi constatado, ele parecia saudável, até completar 3 anos... Matias deixava o menino com Dona Celina para ir trabalhar. Mas o menino começou a apresentar certos sinais incompreensíveis. Tinha febre constantemente, queria morder as pessoas e ansiava por carne fresca, seja de um ser humano ou de qualquer outro animal. Os médicos não descobriram o que o garoto tinha e "isso" só ia aumentando de proporção.

No decorrer do livro conhecemos um pouquinho mais sobre dona celina. Uma senhora que morava sozinha no mesmo prédio de Matias, não tinha constituído uma família e que passou a vida dedicando-se ao trabalho. Na juventude era pobre, trabalhou como empregada doméstica, mas os seus patrões proporcionaram estudo a ela, que transformou-se em uma bela professora. Durante a vida, conseguiu juntar uma pequena riqueza que foi dedicada quase que exclusivamente a caridade. Sofreu durante a sua trajetória, mas não deixou se abater pelas dificuldades que surgiram no seu caminho. Ela nutria um carinho de mãe pelo Matias e o Júnior, buscando cuidar dos dois sempre que podia.

"Quando se tenta preencher todo um vazio que a vida lhe deixa, mal sabemos que o próximo já estará aberto"

Matias abandonou o trabalho e passou a dedicar-se exclusivamente ao filho e aos poucos acabou se perdendo, confundindo a realidade com sonhos, não percebendo o "monstro" que estava criando. Sua vida mudou e todas as pessoas ao seu redor foram influenciadas por tantas mudanças. O mundo já não era o mesmo e a culpa lhe preenchia, ele sabia que acabou destruindo muitas pessoas, inclusive ele mesmo...

"Ele não é isso" está longe de ser um livro convencional, é um livro de terror/ficção que te transporta para um cenário inimaginável em um primeiro momento.
O livro vai muito além de mostrar o terror, nos leva a pensar no próprio monstro que carregamos dentro de nós e que deixamos nos consumir em alguns casos. Nos faz refletir sobre o universo e pensar se o "isso" já não dominou o mundo?! Estamos imersos a tanta crueldade, preconceito e desrespeito, que o monstro somos cada um de nós ao praticarmos tais atos.

O mundo já está destruído, nós que não percebemos!

Obrigada por me proporcionar a leitura Rodrigo, me fez refletir e só fez acrescentou na minha personalidade quanto pessoa e cidadã. Sou extremamente grata!

Quem quiser adquirir o livro ou entrar em contato com o autor, segue os contatos:

Link de Compras:
Arwen: http://goo.gl/nKkPqT
Livraria Martins Fontes: http://goo.gl/BZZNeg
Amazon: https://goo.gl/Lseoqq

Contatos do autor:
Facebookhttps://www.facebook.com/elenaoeisso
Instagramhttps://www.instagram.com/elenaoeisso
Skoobhttps://www.skoob.com.br/ele-nao-e-isso-433851ed491537.html




Beijinhos da Alice!!